CSI: Wild Life (11×09)

Sério gente: um duplo assassinato causado por um gato e uma arara. Não falta mais nada. Mesmo. Pior: eu me diverti.

Me diverti com Brass e sua cara de descrença quando Sara e Greg explicam a sequência de acontecimentos que resultaram na morte do casal que parecia se odiar da mesma forma que os dois animais decretados como inimigos pela natureza. Me diverti porque eu tinha certeza de que a tal arara havia ligado para o 911 repetindo o que sua dona havia feito tempos antes, mas ainda assim adorei quando isso foi confirmado pela própria arara repetindo o ato na frente de Sara e Greg.

E teria me divertido mais com a investigação principal, do tal moço desabando da sacada, não fosse por Catherine e Langston. A história foi legal, as tiradas por conta da tal posição sexual foram legais, a tirada sobre o “sexo de subir pelas paredes” não ser contada ao marido idem. Mas tinha os dois, Catherine com umas bochechas e uma boca que me enchem de aflição e Langston com aquela cara dele de idiota, affff.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Não gostei do episódio, ainda bem que a média da temporada ainda está boa.
    Catherine também me dá aflição, se a série durar mais uns anos, ela ficará irreconhecível!

    Responder

    1. Eu não me conformo de como elas se estragam, de como não percebem o que estão fazendo. Sabe, elas não olham no espelho da mesma forma que a gente, só pode ser…

      Responder

Deixe uma resposta