Blue Bloods: Little Fish (01×11)

E basta eu fazer uma declaração de amor ao Danny e passo os dois episódios seguintes encantada com Frank. Não bastasse ser um pai super dedicado – e aí vale lembrar que é normal os seriados mostrarem os pais policiais como pais distantes ou policiais como pessoas que tiveram as piores famílias do mundo – e um comissário muito cioso de seu trabalho, Frank é aquela pessoa que nos dá orgulho de conhecer: ético, humano, preocupado com o outro, que sempre procura pelo caminho certo.

Tanto fiquei encantada com este episódio que até gostaria que o caso do menino desaparecido ganhasse mais destaque, mesmo sabendo que o que eu queria mesmo eu não veria: Frank em campo, investigando o caso, encontrando pistas. Pelo menos tive o prazer de vê-lo pegar o culpado.

Falando de Henry, o avô: uma leitora já disse em comentários que a participação do avô acaba não sendo lá muito útil.

Pois nesse episódio eu entendi ainda mais o porquê dele estar por perto: Henry nos mostra que os dilemas pelos quais Frank, ou mesmo Danny, passa não são tão novidade assim, que existe um passado, que se aprende com ele e que, em algumas vezes, mesmo sabendo disso a gente resolve tomar uma decisão diferente, fazer do nosso jeito.

A outra investigação? Bem, ela serviu para Danny mais uma vez dar seu show e para que conhecessemos o tal detetive Sonny, que foi parceiro de Joe. Mais alguém aí não gostou do cara?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

3 Comentários


  1. essa série a cada episódio vai nos cativando e isso é maravilhoso 🙂

    o Frank é um personagem que é difícil de se encontrar em séries, pois ele é um policial que gosta do que faz e transmite confiança e seriedade ao seu trabalho além de promover um ambiente familiar estável apesar de tudo
    e as cenas dos jantares são imperdíveis, tem sempre o debate entre a Erin e o Danny e confesso que sempre fico do lado dele e o Jamie entra mesmo que para equilibrar as coisas e ai vem o vovó que por vezes está chato mas dentro da razão e tem o momento de risos que só os filhos pequenos de Danny pode proporcionar

    me emocionei com todas as cenas entre o Frank e a mãe da vitíma e só ele mesmo para além de encontrar o assassino conseguir a sua confissão

    e o Danny lavou a minha alma ao desafiar aquele juiz cretino e salvar a sua irmã, trabalho em equipe

    me deu saudades de The Pretenders quando o Sonny apareceu, adorava aquela série, eu li que a coisa dos Blue Templars ficara resolvido nesta mesma temporada, ainda bem pois o Jamie precisa de algo para ele ir em frente

    Responder

  2. Fui eu quem disse que o avô não tinha utilidade e redo-me, estava errada, assumo. Realmente, nesse episódio, pude perceber o seu objetivo na série que serve como elo entre o passado e o presente de Frank. Talvez eu não goste do ator… sei lá.

    Adorei o DAnny salvando a irmã… Eu bem que poderia ter um irmão assim!!!!

    Detalhe, pq Frank fica com a arma no coldre dentro de casa?

    Responder

  3. Gente, vcs TÊM que chegar logo no episódio 18!!! Eu preciso comentar sobre ele com mais alguém além do meu marido!!!

    Responder

Deixe uma resposta