Boardwalk Empire: um império sobre litros de whisky

Vi o primeiro anúncio lá fora e tive a certeza de que não poderia dar errado: Steve Buscemi estrelando; Martin Scorsese dirigindo; uma criação de Terence Winter, o mesmo de The Sopranos; uma produção HBO inspirada em um livro de sucesso; uma história que se inicia no dia em que os EUA decidiram que o alcóol era a causa de todos os problemas, causando seu banimento do mercado e criando uma das mais prolíficas e rentáveis indústrias na ilegalidade. O cenário? A Atlantic City dos velhos tempos, das lindas mulheres, da jogatina, dos homens dúbios, da grande calçada à beira-mar.

A Boardwalk Empire que surge na tela, e ela merece uma daquelas telas enormes, tem a intenção de envolvê-lo com sua música agitada, pelos olhares femininos, pela festa que não se acaba e pelos diálogos rápidos e afiados. O tempo é de festa. Mas Enoch ‘Nucky” Thompson (Steve Buscemi) discursa para um grupo de mulheres. Sua história é triste, tocante. Um homem que teve de sobreviver a tempos difíceis. Que chegou longe. O problema são suas escolhas ao longo do caminho.

Temos então um daqueles vilões que mais criticamos, o político que joga como lhe convém e não teme em usar seu poder ou influência em proveito próprio. Mas ele também é humano, defende mulheres maltratadas. Ajuda o próximo. Temos o tipo de vilão pelo qual torcemos, mesmo sabendo que é errado.

As cenas de tiroteio e morte são impactantes, os figurinos encantadores, mas é a história que nos conquista. Uma história baseada em fatos reais, mas recheada de fantasia – em determinado momento do episódio piloto um protegido de Nucky, Jimmy Darmody (Michael Pitt), conversa com Al Capone no estacionamento de uma festa, o Al Capone de então é apenas o motorista de um dos grandões de Chicago.

Jimmy Darmody acabou de voltar da guerra e parece ter aprendido muito bem com Nucky que qualquer escolha é válida para se chegar aonde se quer e deve se tornar peça fundamental na escalada de seu chefe pelo império do contrabando que apenas se inicia.

Você ainda verá na tela: Michael Kenneth Williams, Gretchen Mol, Dabney Coleman, Paz de la Huerta, Kelly Macdonald, Paul Sparks e Aleksa Palladino.

Até aqui o seriado teve três episódios exibidos nos EUA. Em nome de seu sucesso sua segunda temporada já foi garantida.

Sim, é daqueles seriados que todos falam e que às vezes temos receio de nos entregarmos. Mas sim, ele é tudo isso que falam mesmo e por isso merece ser visto.

E você poderá descobrir se estou errada ou não a partir do próximo dia 17 de Outubro, às 22h00, quando o seriado chega a HBO Brasil com praticamente um mês de diferença em relação a estréia lá fora.

*Este é um artigo patrocinado, um publieditorial semelhante ao que você encontra em revistas e jornais, mas as opiniões aqui expressadas são minhas e verdadeiras.

Escrito por Simone Fernandes

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Você não pode pedir nada mais de uma série, Boardwalk Empire com Steve Buscemi é arte, em todos os aspectos de uma obra-prima. Como engancha¡.

    Responder

Deixe uma resposta