Criminal Minds: Outfoxed (05×08)

Por mais que eu, muitas vezes, fique meio irritada com essa coisa de Foyet e sua perseguição ao Hotchner, tenho que admitir que existe potencial para uma ótima história aqui, com a tensão aumentando mais e mais – o problema será somente atender à expectativa criada.

Quem sabe a gente dá sorte e Foyet acaba sendo tão ou mais interessante que Fox, o verdadeiro vilão deste episódio – porque, vamos combinar, a tal garota do oriente europeu não era nem fichinha perto dele.

E os roteiristas sabiam disso, ou não teríamos passado a maior parte do episódio naquela sala de interrogatório de uma prisão de segurança máxima apenas vendo o show que ele e Prentiss estavam dando. Confesso que fiquei positivamente surpreendida pelas reações da agente, que soube usar a loucura do bandido a seu favor e assim conseguiu as principais pistas para resolver o outro caso.

Em campo, Morgan continua mostrando que tem sim capacidade e segurança para tocar o trabalho de líder, enquanto Garcia e Reid conseguem montar quebra-cabeças como ninguém – e entender  a mente criminosa, sem o sê-lo, me parece cada dia mais desafiador.

Outra coisa que os roteiristas continuam acertando: não ver o que foi feito pelos assassino e, ainda assim, nos deixarem de estômago virado com os crimes ocorridos. Desta vez, por exemplo, nós praticamente não vemos sangue e nem por isso ficamos menos impressionados com a maldade de tirar a vida de toda uma família, deixando um pai em desespero.

Ponto fraco do episódio? Confesso não ter engolido muito a motivação da assassina. Mas, alguém aí está ligando para isso?

A temporada continua densa, negativa e intensa e ainda bem que não somos obrigados a escolher apenas um episódio como favorito.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. comentário nada-a-ver: na sexta-feira assisti “os flintstones em las vegas” [ou algo assim] e rolei de rir vendo o thomas gibson no papel de chip rockfeller, o pretendente da wilma 😆 e a jane krakowski de betty… omg.

    Responder

Deixe uma resposta