Maysa – Quando Fala O Coração (Capítulo 08)

showcanecao

Ontem eu havia comentado que talvez não tivéssemos assunto para 16 capítulos, pois bem, da maneira como a minissérie acabou sendo montada até poderíamos ter, afinal, boa parte da vida de Maysa acabou apertadinha nos capítulos de ontem e hoje. São muitos anos da vida da cantora espremidos em apenas 80 minutos de história.

Ontem vimos uma das cenas mais discutidas antes da estréia da minissérie: Maysa visita o filho no internato, ele doente, e se recusa a beijá-lo, com medo de ficar gripada e perder a voz.

Mais de um jornalista perguntou para Jayme se o fato dele ter pedido que a cena fosse inclusa e mais de um perguntou se isso seria expiação dos seus problemas. Jayme foi categórico ao dizer que esta era uma maneira de mostrar a importância que a música tinha para sua mãe. Da maneira que a cena foi montada nós acabamos por ver muito de expiação mesmo (e sim, aquele menino continua me dando pânico ou, como a Vivi bem disse: dá vontade de entrar na televisão para empurrar os dentes dele).

É nessa visita ao internato, também, que percebemos a atração que Miguel exercia sobre Maysa, que vai ao internato com a cantora. É nessa época também que Gabriela descobre sobre o caso dos dois, colocando-os para fora de casa. Achei muito digna a atitude dela.

Entre a expulsão de Maysa, seu casamento com Miguel e sua volta ao Brasil bons anos se passaram, por mais que a série nos dê a impressão que foi uma questão de semanas ou meses.

O retorno de Maysa ao país é realmente triunfal, mas não foi o auge de seu sucesso no país. Lá fora Maysa chegou a lugares que nenhum outro artista nacional conseguiria, aqui a Bossa Nova já havia virado sucesso e começa a ser coisa comum, mas a lembrança de Maysa justifica um show de retorno no Canecão.

Em uma casa lotada Maysa volta a surpreender, não somente por ainda admitir que seu único amor foi André, mas por suas pernas de fora. Não há dúvida de que ela foi uma mulher a frente de seu tempo, a despeito de suas loucuras injustificadas.

maysacanecopreto

Mais marcante para mim, e acho que para Jayme, é o fato da mãe voltar ao país e esquecê-lo na Europa. Bem como foi estranho ver a família assistindo ao show e ninguém falar do menino.

O reencontro com Bôscoli serve para mostrar que a paixão de Maysa por Miguel já não é tão forte e ela acaba vivendo um momento com o compositor em seu camarim, o que acabaria por causar uma grande briga entre o casal, com a saída de Miguel de casa e uma nova tentativa de suicídio.

Mas Maysa dificilmente faz o que esperamos e, com certeza, ela não espera nada mais de Bôscoli do que aquele momento e ela não desvia o olhar de Carlos Alberto, ator de sucesso na televisão.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. Eu não estou conseguindo ver pela Globo a série, passa tarde e preciso dormir cedo, pretendo ver os capítulos a partir de quarta no findi.
    Mas hoje catei no you tube o trecho em que Maysa vai ver o filho no internato -Hahaha, o menino-castor é algo! – ali acho que está a essência dela: Maysa nunca se viu mãe, se via mulher, cantora, trabalhadora. E a afirmação que só ela é mãe que trabalha é furada, mesmo naquele tempo não era incomum isso. Acho que aí ela se baseia para negligenciar o menino sem culpa nenhuma, na cabeça dela estava certíssimo.

    Jaime deve ter n traumas de infância e por conseqüência (não largo o trema, não) com as mulheres, ele já foi casado várias vezes, e “dizem” que é mega estúpido com as respectivas, vocês já viram entrevistas dele? Ele sempre fala de cabeça baixa, com uma voz que não combina com um homem daquele tamanho, arrastada, insegura.
    Opa, divaguei bonito agora. Hehehe.

    Responder

  2. Bem, entendo que tenham escolhido os filhos do Jayme para retratá-lo na série mas creio que colocarem o caçula para interpretá-lo foi um erro: os dentes (que me lembram os da Mônica, personagem de Maurício de Sousa) se sobrepõe à interpretação (!) do menino. Aliás, só se falam nestes dentes (é meio bizarro, mas é verdade). O filho de uma amiga (ele tem 7 anos) perguntou para a mãe se teriam que cortar os dentes do menino.

    Tati, achei interessante suas divagações e acho que são válidas. teorias freudianas, baseadas no complexo de Édipo, dizem que o homem se casa: ou com uma mulher parecida com a mãe ou com uma oposto à mesma. Não sei se a teoria realmente é válida (mas já vi exemplos que as endossam) e não sei em qual lado o Jayme está. Mas creio que este conturbado e frustrante relacionamento (ou a falta deste) que ele teve com a mãe marcou profundamente a sua personalidade. E não imagino o que se passa na mente do mesmo ao retratar uma parte difícil de sua história em rede nacional.

    Responder

  3. Oi Tati e Carina,

    Acho que Jayme realmente não deve ter isso muito bem resolvido, por outro lado ele foi muito corajoso em fazer a série e permitir que vissemos tantas loucuras, tantos defeitos.

    Talvez esse novo casamento dele tenha lhe ajudado a entender melhor certas coisas e lhe tenha ajudado a processar tudo isso.. Ainda resta a hipótese dele ter procurado ajuda, nunca vamos saber ao certo.

    Responder

  4. Realmente, o final da vida de Maysa passou que nem um susto. E ainda ficamos nos perguntando como ela conseguiu acabar a vida cantando em uma churrascaria, a minissérie deu um salto da volta triunfal para o ostracismo. Mesmo em seu refúgio com Carlos Alberto a ida da repórter demonstrava que Maysa ainda dava manchete, então, ficou solto o como ela teve que cantar em uma churrascaria, onde ninguém dava a mínima para quem estava cantando ali.

    Responder

Deixe uma resposta