Cinema: “Baseado em Fatos Reais”

Quando termina a paranoia e começa a realidade? Até onde confiar nas informações que chegam até você? Um thriller psicológico de tirar o fôlego, “Baseado em Fatos Reais” (D’après une histoire vraie, no original), novo longa do diretor Roman Polanski, coloca duas mulheres poderosas no centro de uma relação doentia, e tem estreia no Brasil prevista para 12 de abril.

Adaptado do romance de mesmo nome da escritora francesa Delphine de Vigan, “Baseado em Fatos Reais” segue a história da autora Delphine (Emmanuelle Seigner), que durante o lançamento de seu mais novo livro conhece Elle (Eva Green), uma de suas fãs, quando esta lhe pede para autografar seu exemplar.

Elle também é escritora, trabalhando como ghost writer em biografias de celebridades. Aos poucos, as duas se aproximam, com Elle se tornando cada vez mais presente na vida da autora. Vítima de ataques anônimos de odiadores do seu trabalho e da constante pressão pelo lançamento próximo romance, por mais que às vezes se sinta incomodada com a onipresença da nova amiga, Delphine permite a aproximação de Elle devido à sua fragilidade emocional. O que logo se revela um erro. E conforme a relação das duas se aprofunda, somos levados pelo ritmo hipnótico dessa história que parece ter sempre uma reviravolta violenta prestes a acontecer.

Foragido da justiça americana por conta de acusações de cunho sexual, Polanski fez de seu exílio forçado na França a chance de produzir uma resposta que todos pudessem ouvir. “Baseado em Fatos Reais” é antes de tudo uma crítica às mídias sociais e ao bombardeio digital promovido por elas. Em um mundo onde nada mais pode ser tido como fonte ou documento confiável, tudo é possível e nada é seguro. Não há paz. E à medida em que Delphine vai se apequenando com os ataques que recebe, Elle toma sua vida nas mãos e controla tudo o que vai acontecer, indo em um espiral de permissividade que só pode acabar em tragédia. Na poltrona, assistimos tensos ao desenrolar dessa história que é tão crível quanto angustiante.

Cineasta aclamado por clássicos como “Repulsa ao Sexo’’ (1965), “O Bebê de Rosemary’’ (1968), “Chinatown’’ (1974) e “O Pianista’’ (2002), Roman Polanski faz da história de Delphine e Elle um conto macabro sobre a nossa sociedade atual, ao mesmo tempo que entrega um entretenimento inteligente e de qualidade como poucos vistos por aí. As protagonistas conduzem a trama com pulso firme e dão banho de carisma e talento, além de serem figuras que prendem o olhar do cinéfilo. Como piscar em um filme com Eva Green e Emmanuelle Seigner atuando juntas? Duas atrizes sublimes em seu melhor momento, sem dúvida é o que temos em “Baseado em Fatos Reais”, um filme que já chega com ares de clássico para as novas gerações.

Falando nas protagonistas, o filme marca o retorno de Eva Green às produções francesas após 13 anos da atriz atuando somente em produções de língua inglesa. Emmanuelle Seigner, que dá vida a Delphine no longa, chega para somar ao currículo sua quinta participação em filmes do Roman Polanski, que é também seu marido na vida real.

O longa corre por fora no circuito de premiações, provavelmente por conta ainda dos respingos dos escândalos da vida pessoal do diretor em sua obra. Exibido ano passado na 70ª edição do Festival de Cannes, fora da mostra competitiva, o filme é apontado, com todo o mérito, como “magistral” pelo The Hollywood Reporter.

Além de ver o filme, vale muito a leitura do livro no qual ele se baseia, sendo essa trama tão interessante também nesse quesito de ser “uma história dentro de outra história”. Lançado em 2015, é possível encontrar com facilidade o título, distribuindo no Brasil pela Editora Intrínseca. Na Amazon, ele está disponível em versão digital e física por este link.

Com produção Belga Films e WY Productions, roteiro assinado por Olivier Assayas e Roman Polanski, “Baseado em Fatos Reais” tem distribuição no Brasil pela Paris Filmes e chega aos cinemas do país neste dia 12 de abril.

Gostou do Texto?

Cadastre seu email e receba novos
textos por email:

Deixe seu Comentário