Grey’s Anatomy: Danger Zone (14×05)

Pontos finais e recomeços. Danger Zone passa bastante tempo em outra linha temporal – quando Owen, Riggs, Megan e Teddy ainda estavam no Iraque -, mas é usado para finalizar questões pendentes atuais: Riggs e Megan, acompanhados do menino que ela adotou, recomeçam sua vida em Los Angeles, deixando por aqui um Owen que encerra seu casamento.

Confesso que senti muita pena do Owen neste episódio. Ele não termina seu casamento porque não sabe mais quem é Amelia após a retirada do tumor, mas porque o período em que ficaram juntos, por causa do tumor ou não, desgastou o amor que ele sentia. Além disso, não é fácil olhar para trás e ver que o que sonhou para si não aconteceu.

Owen nasceu para ser pai, acho que essa era uma das poucas certezas que ele tinha junto com o fato de que queria ser médico e que seria um soldado. Acho uma pena que ele tenha se apaixonado pelas pessoas erradas, primeiro Cristina, que não queria filhos, depois Amelia e todos os seus problemas. Se ele tivesse ficado com Teddy as coisas seriam mais fáceis.

Pensar nisso amenizou a raiva que a gente sempre tem dele quando ele resolve o que é melhor para a vida de quem ele gosta, não é verdade?

O que também chega ao final é o quase relacionamento de Nathan e Meredith. Eu não fazia parte da turma que não gostava dos dois juntos, pelo contrário (e o fato dele não ter jogado na cara do Owen ao longo destes anos que Megan também o havia traído e que na verdade ela havia embarcado naquele helicóptero porque estava com raiva do irmão apenas confirma o fato de que ele é realmente um grande cara), mas não achei um final ruim para a história deles.

Principalmente porque Meredith não o amava – não, eu não acho que exista apenas um amor na vida da gente e acho que Meredith ainda encontrará alguém por quem seu coração vai se abrir.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *