Criminal Minds: Killer App (13×04)

“Não é prudente ter certeza sobre sua própria sabedoria.” – Mahatma Gandhi

Tecnologia por si só não é um erro, mas tecnologia nas mãos erradas apenas confirma como homens são capazes de fazer o mal.

Primeiro que não tivemos nada de “killer app (aplicativo assassino)”. Em segundo lugar jamais conseguiria classificar o assassino da noite como psicopata. Ele com certeza teve uma reação totalmente extremada quanto à verdade de sua missão para uma companhia de segurança privada, mas ele está bastante longe de não ter empatia pelo próximo.

O gatilho de seu crime, em verdade, foi a culpa por ter sido usado como instrumento na morte de centenas de crianças inocentes. Quem de nós não se sentiria afetado? Quem de nós não desejaria alguma justiça para àquelas crianças? Sim, graças a Deus a maioria de nós não sairia simplesmente matando mais gente por conta disso, mas com certeza por um momento pensaríamos na morte do executivo da tal empresa.

Esse sim um psicopata. Dizem que o sucesso de muitos executivos pode ser justamente atribuído ao fato de serem psicopatas, só não existem estudos sobre quantos teriam efetivamente matado alguém. Aqui ele não o fez diretamente, mas não teve problema nenhum com as consequências de suas decisões.

E só um psicopata acha que mandar uma carta informando quantas pessoas o funcionário matou em serviço seja uma boa ideia. Ainda estou inconformada com isso.

P.S. Emily e Luke? Nope, não inventem. É Penélope e Luke, por favor.

P.S. do P.S. Sério mesmo que não tivemos reação nenhuma de Emily ao fato de Luke falar que Scratch pediu ajuda e ele não ajudou? E tudo bem escrever isso em um relatório? Tipo, ele podia até falar para ela e então ela lhe dizer para escrever que ele não conseguiu chegar até ele a tempo de salvá-lo, mas assim, preto no branco, que ele deixou que o psicopata morresse ficou muito estranho.

P.S. do P.S. do P.S. Melhor evitar fones de ouvido que abafam o som externo. Ouvir o que acontece a sua volta pode ser a diferença entre vida e morte.

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. Foi bom rever Emily Rose (a Audrey de Haven) por aqui. E sim, ela também precisa pagar pelo que fez, ainda que os acontecimentos da noite provem que se ela não tivesse mentido em seus relatórios, provavelmente estaria morta a esta altura, ela deveria ter buscado as autoridades.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. nem ousem colocar Emily e Luke juntos. não combinam. agora Luke e Penelope combinam super.
    Estava tão mal quanto esse episódio passou que nem assisti direito. mas vendo as reprises não achei grande coisa. Luke poderia ter mentido para Emily sobre o fato de deixar o Scratch cair. Nem parece uma líder de equipe (saudades Hotch) acho que eu só consegui suportar o episódio pelas cenas da Penelope. e aquela cena fina de Luke e Prentiss até troquei de canal quando passou.
    e hoje tem o melhor episódio da temporada pelo menos pra mim com o Shemar e a Penelope.

    Responder

  2. Eu gostei de absolutamente tudo, neste episódio, exceto o fato de Emily achar que faz parte do protocolo negar socorro a alguém, mesmo que seja um assassino. Aí, é vingança de agentes da lei, e não justiça. Claro que Scratch iria tentar levar o Luke junto com ele, pois aquele pedido de socorro era uma armadilha (o mais puro clichê de séries e filmes), porém um agente bem treinado saberia se safar e existe uma diferença grande entre uma pessoa de bem e um calhorda. Luke, simplesmente, decidiu que Scratch deveria morrer e pronto.

    Luke e Penélope? Não. Luke e Emily? Não. Luke, em Criminal Minds? Não. Adam Rodrigez é péssimo ator e desinteressante, como galã. Shemar Moore, em minha opinião, é um pacote completo: bonitão e bom ator. Penélope merecia um príncipe encantado à altura do legado de de Shemar Moore e da relação especial, entre ela e Derek.

    Eu confesso que preferia Rossi, no comando da UAC/BAU, porém a Emily está se saindo muito bem, obrigada, apesar de um certo ar senhoril. Também, para ser uma líder é preciso uma certa seriedade e, depois, ela não é sombria e robótica, como Hotch, que não caiu no meu gosto.

    Até agora, para mim, está tudo bem com a 13ª temporada de CM.

    Responder

    1. estava olhando os episódios seguintes e no 7 ela flerta descaradamente com o Matt no telefone. eu torço por Penelope e Luke apesar de uma torcida discreta por Penelope e Rossi. eu sei que é errado, mas seria interessante ver ela com o Rossi. Luke é uma escolha possivel para par da penelope e apesar de achar o Adam Rodriguez um pouco feinho (trauma de CSI Miami) ele faria um par lindo com ela. ou que trouxessem um cara interessante para ela. bem ao estilo do último que ela teve (Sam não o Kevin). Eu acho que todos ali ela merece ser feliz também. afinal ela já sobreviveu a um tiro então tá na hora dela se dar bem.
      meu ship #Garvez (Garcia + Alvez) ainda me alimenta.

      Responder

  3. Sinceramente? Penelope e Rossi seria bem melhor do que Penelope e Luke. Eu amo Rossi e adoro Penelope, pois eles são duas almas gentis e maduras. Eles sempre pensam no bem-estar dos outros, eles são seres evoluídos e muito dedicados à equipe, ao trabalho e à vida também. Apesar de tudo, os dois se divertem, veem o lado bom da vida e são lindos. Quando alguém da equipe está frágil, eles sempre tem algo mágico para dizer e aliviar a tensão. Eles também sofrem, cada um o seu bocado, mas não perdem de vista o restante da humanidade.

    Agora, os criadores e roteiristas de CM tem que ajudar, também, né? Eles são alérgicos ao amor! Tudo bem, é uma série policial, porém nem só de misérias vive o mundo. Toda vez que um casal se forma, exceto Will e J.J, um dos apaixonados morre a tiros!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *