The Last Kingdom (O Último Reino) #2.05 (2×05)

Quando este episódio acabou eu fiquei simplesmente sem palavras. Ao mesmo tempo eu gostaria de saber mais palavrões do que eu conheço para tentar encontrar um que fosse adequado para descrever o que eu tinha visto na tela e, principalmente, o que eu estava sentindo.

A batalha de Uhtred e Ragnar contra Kjartan foi de tirar o fôlego, com imagens fortes, sangue voando, gritos e destruição. Ao mesmo tempo, ela foi sobre planejamento e inteligência. Foi sobre surpreender seu inimigo usando a fraqueza que ele ignora, ter paciência e ir com calma. Ou seja, foi uma aula sobre batalhas (que encerra o terceiro livro de Crônicas Saxônicas de Bernard Cornwell).

E, o que para mim foi o mais interessante, colocou Ragnar em primeiro plano. Sim, temos o confronto entre Uhtred e Guhtred (alguém mais acha que o rei se mijou quando Uhtred levantou?), temos Uhtred invadindo o acampamento dos irmãos do caos e temos Uhtred entrando pelo túnel de água e abrindo o portão da fortaleza para seu irmão.

Mas foi a emoção, a raiva, a vontade de Ragnar que ficou marcada. Tudo isso e Thyra, o retrato da dor, do sofrimento e de como algumas vezes é preciso se enlouquecer um pouco para não enlouquecer completamente.

E Beocca! Nunca Beocca foi mais necessário. Meu coração se partiu mil vezes quando Thyra rejeitou Uhtred e Ragnar porque nós sabemos o quanto eles quiseram vir antes, o quanto tentaram, mas ela não sabe e eu apenas imagina o quanto ela teve medo durante esse tempo todo dentro daquela jaula.

Em tempo: a cena dos cães atacando aquele que fez tudo isso com ela e com sua família é inesquecível.

Além disso ainda tivemos o destaque mais que merecido para Brida e Held, a primeira uma “rainha” ao lado de Ragnar – impossível não rir quando os demais daneses falam que ela “manda na casa” ao mesmo tempo em que a reação dele nos mostra como eles eram tão mais seguros de si que os ingleses e como tratavam as mulheres de forma mais igualitária -, a segunda enfrentando sua primeira batalha real.

Eu simplesmente amo essas personagens!!!

Alfredo pouco apareceu, mas esteve nos pensamentos de todos: quando Ragnar não entende porque o irmão está a serviço do rei, quando Aethelwold fala para Uhtred que ele na verdade é o braço do rei no norte do país, que ele é fundamental para que Alfredo tenha a Inglaterra que sonhou.

Por enquanto Uhtred aceitará essa condição, como ele mesmo disse precisa de um pouco de paz, mas eu não sei como as coisas entre Uhtred e Alfredo seguirão depois.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. A cena dos cães atacando o Sven foi totalmente Game of Thrones, ver Sven morrer pelos cães foi a mesma cena que eu vi o Ramsay ser trucidado pelos seus cães !!!

    Toda a batalha foi um show, senti uma mistura de GOT e Vikings !!!

    E por falar em Vikings, a Brida e Hild podem ficar no mesmo pedestal da Rainha Lagertha.

    A fúria de Ragnar sobre o corpo já morto é compreensível em vista de tudo que ele viu e passou nas mãos cruéis deste bárbaro, tudo que ele perdeu.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *