Chicago PD: Snitch (5×04)

Se o clima pesou entre Antonio e Voight no episódio passado, não posso acreditar que ele esteja fazendo duplo tão cedo. Algo me diz que existe algum outro motivo para aquele encontro dele com o tal promotor, o problema foi ele ter mentido sobre para onde ia, não deixando outra opção para Voight que não seja desconfiar dele.

Será que por isso ele escolheu colocar Burgess como parceira de Antonio? Porque ela é ótima, mas acho que tem uma visão de justiça mais parecida com a de Voight que a do parceiro. Só acho uma pena que Al tenha acertado há tempos atrás, quando disse que a Inteligência acabaria com ela: a cada novo caso vemos um pouco da “fé” de Burgess ser quebrada.

E se no episódio passado as pessoas ficavam em silêncio com medo de serem deportadas, aqui elas tem medo de serem mortas. Quando as pessoas não conseguem ver a polícia como sua salvação significa que a esperança delas, a fé delas, foi totalmente destruída.

Mas o episódio foi de Ruzek e Atwater, o primeiro, como sempre, se envolvendo emocionalmente demais. O segundo sendo envolvido porque seu irmão se meteu em confusão – ao que parece esse guri sempre consegue estar no lugar e hora errados e eu temo que um dia seu irmão não poderá salvá-lo.

Agora, questão do dia: quem escolheu Ruzek para ser o “infiltrado”? Eu não imagino escolha pior – ainda que eu entenda que ele é o mais desconhecido no grupo – para o papel: ele exala privilégio por todos os poros. Um menino grandão que teve poucas restrições na vida e que dificilmente se envolveria no crime, um menino grandão que quase sempre toma decisões pelos motivos errados, reagindo exageradamente.

Sim, o roteiro coloca a culpa dele ter sido descoberto no equipamento que identificou sua escuta, mas ele não estava convencendo ninguém naquela mesa bem antes disso. Depois, Upton salva sua pele colocando a investigação para baixo do tapete. Não achei legal ele agir daquela forma, mas também seria complicado ter de escolher mentir para salvar a pele do parceiro ou falar a verdade e todo mundo olhar torto para ela.

Atwater, por seu lado, foi corajoso em obrigar seu irmão a fazer o certo, só não sei a que custo. Como eu disse aí em cima o menino parece ter um imã para confusões e agora ele é um dedo duro, praticamente com um alvo em suas costas. Eu entendo que ele deva ter apego com a região em que cresceu, mas a primeira coisa que eu faria, se fosse ele, era mudar com o rapaz para outra região da cidade.

P.S. Falando em tecnologia: alguém mais sente falta do Mickey ou de alguém com as mesmas habilidades?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *