NCIS New Orleans: End of the Line (3×15)

*Para quem sentiu falta de meu texto sobre o episódio anterior, ele pode ser encontrado aqui. Eu o escrevi quando o AXN exibiu a dupla de episódios no ano passado.

Eu havia assistido a End of the line no ano passado, acreditando ser a continuação do crossover com NCIS e tinha gostado muito do fato dele trazer um pouco do passado de Loretta para frente das telas, afinal já tínhamos visto o bastante do passado de Pride, La Salle e mesmo Sonja, até ontem uma novata.

Claro que aconteceu muito de estranhamento: senti imensa falta de Brody e não engoli direito a Gregorio. Revendo o episódio na semana passada continuei sentindo falta de Brody (pude imaginá-la em mais de uma cena estando ao lado de Loretta) e diminui minha resistência à Gregorio (que melhorou imensamente desde o primeiro episódio da temporada, mas ainda não encaixa direito ali).

Falando sobre a trama do episódio: ainda que fosse bastante óbvio que tínhamos um caso de condenação errado e aquele advogado tinha CULPADO tatuado na testa desde a primeira cena. Apenas achei uma pena que tudo isso tenha acabado parecendo que Loretta deixou seus sentimentos pelo ex-marido atrapalharem a forma como ela trabalhou no caso em questão.

Sim, com o verdadeiro culpado aparecendo no laboratório a tempo de impedir que ela reexaminasse o corpo, não sabemos se existia algo ali que ela não tenha visto e tivesse impedido um inocente de passar anos na prisão injustamente, o problema é que o testemunho dela não deixou muita margem para que os jurados achassem que existia uma chance sequer dela estar errada.

Fiquei pensando apenas: se o advogado não tivesse resolvido matar mais uma ou duas pessoas em pleno necrotério para esconder o fato de ter matado outras duas, ele poderia ter optado por fugir para longe dali antes que a equipe do NCIS aparecesse em seu escritório.

Um caso simples, que nos pegou por estar ligado diretamente a Loretta, que foi bastante humilde ao saber que errou e que prometeu não deixar que isso lhe abata.

Já o Sebastian… Bom, quando eu assisti ao episódio pela primeira vez eu estranhei Sebastian ali. Vendo pela segunda vez, eu estranhei o Sebastian ali. Eu devia estar balançando a cabeça para cima e para baixo quando ele diz que vai voltar ao laboratório, ao contrário do apoio que ele recebeu da Gregorio.

E, falando dela, foi passar direto pelos comentários dela sobre o fato de LaSalle e Sonja serem um casal perfeito e ela insistir em ajudar o agente que já negou a ajuda mais de uma vez – até porque Sonja não anda dando as caras por aqui com frequência suficiente para pensarmos seriamente nos efeitos de termos um casal na equipe.

P.S. A declaração de Sebastian para Loretta foi muito amor. <3

P.S. do P.S. Para quem, como eu, é muito fã dos seriados policiais, recomendo muito esse vídeo aqui do John Oliver. Nele vemos que erros como os demonstrados aqui são mais comuns do que se pensa, o problema é que o “feito CSI” faz com que cada vez mais jurados acreditem cegamente nas “evidências dos especialistas”. Com legendas em inglês.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. Até quando teremos que aguentar esta Gregorio? A série perdeu muito com a entrada dela. Ela teria lugar perfeito em Walking Dead e sem precisar de maquiagem. É um monstrinho!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *