2.22 Encontro Marcado – Suspense clássico com toque de espiritualidade

Com direção de Paul Currie (que participou da produção de Até o Último Homem de Mel Gibson) e roteito de Todd Stein (Produtor de Armadilhas do Amor de 2009), a PlayArte Pictures lançará nos  cinemas no próximo dia 21 de setembro o intrigante filme 2:22 Encontro Marcado, com os atores Michiel Huisman (Game of Thrones, Orphan Black, A Incrível História de Adaline) e Teresa Palmer (Quando as Luzes se Apagam e Até o Último Homem).

A sinopse é simples: “Dylan Branson (Michiel Huisman) é um homem que tem a sua vida permanentemente mudada quando uma série de eventos se repete exatamente no mesmo horário todos os dias, às 2:22 da tarde. Quando Dylan se apaixona por Sarah (Teresa Palmer), uma jovem mulher que tem sua vida ameaçada pelos eventos ocorridos, ele deve resolver o mistério que o cerca para preservar o amor que a vida lhe ofereceu como uma segunda chance”.

O filme é um suspense clássico, com alguns toques de espiritualidade. Não é preciso acreditar em vidas passadas ou em reencarnação para se envolver com a trama de 2:22 Encontro Marcado, mas é bom que se tenha a mente aberta para melhor usufruir de todas as surpresas do filme, que começa como drama ou um romance típico para depois seguir como um thriller com ecos metafísicos que servem com perfeição à trama e que lhe dão o tempero especial que faz com que o filme se destaque.

Indo um pouco além do que a sinopse apresenta, mas sem estragar as surpresas que o filme oferece: Dylan Branson é um controlador de tráfego aéreo que trabalha no aeroporto JFK de New York. Num determinado dia, exatamente às 2:22 da tarde, um estranho evento faz com que ele quase cause um acidente entre duas aeronaves. Ele então é suspenso de suas atividades e, durante o período de suspensão, conhece Sarah, que estava em uma daquelas aeronaves como passageira. O contraponto ao casal é dado por Jonas (interpretado por Sam Reid), artista plástico e ex marido de Sarah, que está expondo justamente na galeria onde ela trabalha.

Vários clichês? Sem dúvida nenhuma, mas o filme não se prende a eles. Muito pelo contrário, ele se utiliza deles inteligentemente para nos conduzir através dos mistérios apontados na sinopse: Por que será que alguns eventos sempre se repetem por dias seguidos e sempre no mesmo horário? E é muito legal descobrir isto junto com o protagonista. Contribuem muito para o resultado a edição precisa, a fotografia excelente e uma trilha sonora de primeira.

Enfim, é uma diversão de primeira com estreia marcada, não resisti ao trocadilho, nesta quinta, fia 07 de setembro. Recomendo!

Escrito por Carlos Miletic

Apaixonado por literatura e cinema, não resiste a um filme de terror, muito menos a um livro de mistério. John Wick é seu modelo e Stephen King o seu pastor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *