Relançamento do mangá Akira leva o longa de volta às telas do cinema

Trinta e cinco anos depois de ser lançado no Japão e depois de muitas negociações e aprovações, a Editora JBC está relançando o mangá Akira, um dos quadrinhos mais famosos do mundo.

A primeira edição de Akira começou a ser publicada no Brasil em dezembro de 1990. Na época a Editora Globo baseava-se na versão americana da Epic Comics, selo alternativo da Marvel, completamente ocidentalizada, com a colorização dos desenhos e a tradução de um elemento fundamental dos mangás: as onomatopeias.

Akira é um dos marcos da ficção científica oriental e revolucionou a chegada dos mangás e da cultura pop japonesa no Ocidente e foi o primeiro mangá publicado nas duas orientações de leitura.

A ficção de Katsuhiro Otomo será reeditada pela JBC no formato original japonês, com leitura da direita para a esquerda e desenhos em preto-e-branco, além de tradução direta do idioma original. Serão um total de seis volumes com aproximadamente 300 páginas cada um e com uma periodicidade semestral. Segundo Cassius Medauar, editor-chefe da JBC, o relançamento da obra no Brasil conta com a aprovação e supervisão direta do próprio Otomo.

Lançado originalmente em 1982, Akira propõe um futuro distópico: logo em suas primeiras páginas, durante a III Guerra Mundial, uma explosão atômica destrói Tóquio. Trinta e oito anos depois, uma nova capital, Neo-Tóquio, foi erguida sobre os escombros. A população encontra-se à mercê de gangues de motociclistas e facções anti-governo consideradas terroristas.

A história é centrada nos personagens Kaneda e Tetsuo, que são amigos e membros de uma gangue de motoqueiros. Eles disputam rachas violentos com uma gangue rival, os Palhaços, até que um dia Tetsuo encontra Takashi, uma estranha criança com poderes psíquicos que fugiu do hospital onde era mantido como cobaia. Neste encontro Tetsuo é ferido e antes que seja socorrido por seus amigos, é levado por integrantes do exército, liderados pelo coronel Shikishima, que também recapturam Takashi. O encontro com Takashi bem como os testes psíquicos realizados pelo exército despertam os poderes latentes de Tetsuo, o que faz com que seja comparado ao lendário Akira, responsável pela explosão nuclear de 1988. Enquanto tenta descobrir o paradeiro do amigo, Kaneda se interessa por Kei, uma garota envolvida com terroristas que tentam decifrar o enigma existente por trás das cobaias controladas pelo exército.

Como parte das ações de relançamento desta obra as salas Cinemark Eldorado, Cinemark Metrô Tatuapé e Cinemark Shopping Metrô Santa Cruz estarão reexibindo a animação realizada em 1988, em sessão única, no próximo dia 06 de setembro, às 20:40hs.

Pude dar uma olhada hoje no longa e comprovar que ele não envelheceu, muito pelo contrário: bem feito, com trilha sonora de qualidade e idioma original com legendas em português, a animação continua atual e uma ótima diversão.

A animação também se encontra disponível no catálogo da Netflix.

Sinopse
Uma grande explosão fez com que Tóquio fosse destruída em 1988. Em seu lugar foi construída Neo Tóquio, que, em 2019, sofre com atentados terroristas. Kaneda (Mitsuo Iwata) e Tetsuo (Nozomu Sasaki) são amigos que integram uma gangue de motoqueiros. Eles disputam rachas violentos com uma gangue rival, os Palhaços, até que um dia Tetsuo encontra Takashi (Tatsuhiko Nakamura), uma estranha criança com poderes que fugiu do hospital onde era mantida como cobaia. Tetsuo é ferido no encontro e antes de receber a ajuda dos amigos é levado por integrantes do exército, liderados pelo coronel Shikishima (Tarô Ishida). A partir de então Tetsuo passa a desenvolver poderes inimagináveis, o que faz com que seja comparado ao lendário Akira, responsável pela explosão de 1988. Paralelamente, Kaneda se interessa por Kei (Mami Koyama), uma garota envolvida com espiões que tenta decifrar o enigma por trás das cobaias controladas pelo exército.

Escrito por Carlos Miletic

Apaixonado por literatura e cinema, não resiste a um filme de terror, muito menos a um livro de mistério. John Wick é seu modelo e Stephen King o seu pastor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *