Bull: Name Game (1×17)

Olhando com cuidado, eu, uma pessoa mais pé no chão, que não é de se arriscar, não pude deixar de pensar como Bull chegou tão longe se arriscando da forma que ele se arrisca, acreditando que nunca vai perder do jeito que ele acha, chegando tão perto do abismo como ele chega.

Do outro lado, talvez ele seja a prova de que quanto mais a pessoa se arrisca, maior o prêmio.

Aqui ele não pensou nem meia vez direito antes de encarar um enorme banco cuja área de “investimentos alternativos” enganou centenas de pessoas. Ainda que a gente saiba que banqueiros não são lá muito “humanos”, o acontecido serviu para deixar claro quem manda na TAC.

O caso ainda foi apimentado pelo juiz deixando Bull fora de jogo e por Benny estar agindo da forma mais errática possível. Com tudo isso eu achei mesmo que eles acabariam perdendo o caso – mas não achando muito, afinal não dava para acabar com a TAC e continuar com a série, não é verdade?

Bull no final das contas conseguiu usar seu conhecimento, mesmo um pouco afastado, e claro que os momentos em que ele nos explica o que está vendo são os melhores momentos do episódio. Ponto.

Já o caso de Benny é um tanto mais complicado que amor ao risco: ele está sendo consumido pelo fato de ter mandado um homem inocente para a cadeia – não é nem o fato de estar sendo investigado, é o fato de ter errado; prefere não contar ao Bull o que está acontecendo, o que é péssimo considerando a relação pessoal que os dois tem; e ainda começa um relacionamento amoroso no pior momento possível. E olha que eu nem entrei no mérito de que não sei o que pensar da professora inocente e ao mesmo tempo cheia de si.

P.S. Bull e a corretora/vendedora de carros: melhores momentos do episódio. E o fato dele ir e ele simplesmente comprar um Bentley novo para que a moça ajudasse no carro nos mostra que ele não achava mesmo que perderia o caso.

P.S. do P.S. Dica para o Benny: Bull já sabe o que está rolando. Um homem que compra um Bentley daquele jeito simplesmente sabe.

P.S. do P.S. do P.S. O que foi Bull roubando o telefone do escritório ao lado?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *