Supernatural: Ladies Drink Free e The British Invasion (12×16 e 12×17)

Essa dupla de episódios conseguiu juntar rapidinho esperança e frustração, ou seja, nem deu tempo para eu vir aqui escrever que eu estava animada e já jogaram um balde de água na minha cabeça. Porque tornar os Homens das Letras os vilões da temporada é uma saída tão fácil que a “conversão” do Mick estava sendo um toque de novidade.

Até porque eles tiveram o cuidado de esta conversão não vir do nada. Se o pessoal da Inglaterra estava tendo bastante dificuldade em entender essa história dos Winchesters deixar sobreviventes pelo fato de que nem todos são monstros, ainda que pareçam, colocar Mick no meio da ação com os dois, deixar que ele entendesse a relação deles com Claire, pisasse na bola por guardar segredos e depois tivesse que ser salvo, para então ele mesmo salvar a garota deu a ele motivos para ver as coisas de outro jeito.

Claro, a cura de Claire poderia não ter dado certo e esse sim seria um teste e tanto para Mick – porque os meninos não iam deixar que ele acabasse com a vida dela.

Ao invés disso a cura deu a Mick motivos para pensar na vida e aos meninos um pouco mais de paciência com os Homens das Letras, afinal Dean havia dito que ele não ia querer saber deles se eles pisassem na bola.

Por isso eu acabei o episódio com essa esperança de que talvez não fossemos pelo caminho óbvio.

E aí The British Invasion veio e matou minhas esperanças junto com o Mick. E isso depois de ter tido um início livremente inspirado em Harry Potter com a ideia de uma escola de Homens das Letras com jeitinho de Hogwarts se  Voldemort fosse o diretor. Um Voldemort mais feio e mais odiável.

Gente, o que é aquela louca? Pior, como é que aquela louca não é questionada por ninguém do lado de lá do oceano? Olha, valia um estudo.

Ah, e o que dizer do senhor Ketch apaixonado pela Mary? Sério, eu achei esse relacionamento sexual dos dois tão desnecessário quanto possível – e olha que eu sou uma das que achou o britânico um gato desde o início, sendo totalmente afastada por motivos de “vácuo entre as duas orelhas”.

Tipo, eu sei que a Mary voltou a vida, é nova, linda e coisa e tal e até seria bom vê-la com um namorado, mas a guria não consegue nem morar com os próprios filhos porque não consegue lidar com essa história de voltar a vida e vai para a cama com um cara que pertence a uma organização sobre a qual todos tem milhares de dúvidas?

Pior só se a relação dos dois acabar sendo utilizada como motivo para os Homens das Letras desistirem de matar os Winchesters, porque foi exatamente isso que eles decidiram fazer ao final deste episódio, certo?

Ah, sim, eles falharam de novo em conseguiram matar o herdeiro de Lúcifer – que está ali no cantinho deixando Crowley achar que não oferece perigo enquanto se livra do tal feitiço.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *