Cinema: Lar da Senhora Peregrine Para Crianças Peculiares

poster-oficial-lar-das-criancas-peculiares

Eu esperava ansiosamente pela estreia de O Lar das Crianças Peculiares. Na minha cabeça o encontro da magia do livro de Rason Riggs com a imaginação de Tim Burton não tinha como dar errado.

E não deu. Só que não da forma que eu esperava.

O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares é um livro encantador. Com personagens cativantes e o seu tanto de magia, ou peculiaridades, ele nos encanta e nos deixa curiosa para a leitura de suas continuações – dois livros.

O Lar da Senhora Peregrine paras Crianças Peculiares (nome reduzido no poster, o que é compreensível) é um filme lindo, Tim Burton usa muito bem da magia de Riggs para fazer o que faz de melhor: personagens e paisagens ganham uma vida de um colorido todo dele. Os efeitos usados, os monstros antes só imaginados pelos leitores, a vida dentro da fenda. É tudo muito envolvente.

Para quem não leu o livro: Jacob é um garoto que não consegue se “encaixar” no que é esperado dele, sem amigos da mesma idade, sem conseguir corresponder às expectativas da mãe, um relacionamento distante com o pai. Ele tem em seu avô seu melhor amigo.

Mas mesmo esta não é uma relação fácil: o avô, que lutou na segunda guerra, encheu sua infância de histórias inspiradas por estranhas fotos que mostravam crianças longe do normal: uma levitava, a outra tinha abelhas vivendo em sua boca, um terceiro projeta imagens de sua mente na parede sobre a lareira.

Jacob cresceu acreditando que tudo aquilo era verdade, até passar vergonha na escola aos contá-las desta forma. Desde então ele e o avô ainda são próximos, mas ele parece nunca tê-lo perdoado completamente.

Até a morte do avô. Devastado, Jacob irá visitar a ilha onde seu avô cresceu em busca de alguma paz – ele acredita ter visto um monstro quando encontrou o corpo do avô e seus pais e sua psiquiatra acreditam que ele teve um surto -, mas com certeza não esperando o que ele encontra: as crianças das fotos de seu avô.

Jacob, um menino que nunca havia ido a lugar nenhum, então descobre todo um mundo mágico escondido em uma passagem sob uma pedra, onde o tempo não passa e essas crianças peculiares vivem cm a proteção de Alma Peregrine, ela própria muito peculiar.

Li alguns textos que compararam o filme a X-Men e isto não é errado, a final estamos aqui também falando de crianças que se afastaram do mundo por não serem consideradas normais e que podem fazer coisas que os outros não podem fazer. Ainda assim, é totalmente outra história.

Os piores inimigos das crianças peculiares não estão nos humanos que são “normais”, mas em peculiares que não se conformaram em viver afastados da sociedade, obrigados a ficarem presos em fendas temporais e não crescer e que não se importam em eliminar os demais para conseguir o que querem.

E o que Jacob não imagina é que ele pode fazer toda a diferença nesta batalha.

Lar da Senhora Peregrine Para Crianças Peculiares é um filme família, mas não para os muito pequenos já que exige atenção no acompanhamento da história e tem poucos momentos para rir, ainda que tenha de sobra cenas mágica capazes de encantar a todos.

Para quem leu o livro: muita coisa mudou. Mesmo. Além da alteração de alguns personagens, que tiveram sua característica modificada ou passaram a ter outras funções, o terço final do filme não está no livro. Ainda que seja um final bastante satisfatório, e como eu disse o filme e ótimo, ele decepciona quem gostaria de ver a história contada da mesma maneira.

Principalmente ele decepciona quem esperava um filme para cada livro: a impressão é que Burton buscou dar um final em que este será o único filme, em que toda a aventura que Jacob e as crianças poderiam querer terminasse em um final feliz. Não darei mais detalhes, mas gostaria muito de ouvir o que outras pessoas que leram o livro e viram o filme tem a dizer sobre essa minha impressão…

Aqui neste texto da Intrínseca você conhece um pouco mais sobre como Tim Burton levou os personagens das páginas para a vida real. E neste, para quem leu o livro e viu o filme, Burton explica porque fez as alterações que vimos no filme em relação a obra original.

P.S. Adivinhem quem está querendo tingir seus fios brancos de azul….

 

Gostou do Texto?

Cadastre seu email e receba novos
textos por email:

Deixe seu Comentário