Legends Of Tomorrow: Last Refuge (1×12)

Começo dizendo que eu simplesmente AMEI este episódio. Eu sei, na verdade todos nós que continuamos aqui acompanhando a série não temos muita moral para falar sobre a qualidade dela – todos precisamos assumir que a gente gosta, mas boa não é -, mas toda essa história da turma ter que voltar ao passado para salvarem a si próprios e podermos ver como Rip era perfeito desde tão menino me encheu o coração.

De brinde ver a Sarah dando umas porradas no jovem Rory, como reclamar?

Legends Of Tomorrow Last Refuge 1x12 s01e12

Claro que agora os roteiristas ganharam uma missão para a qual eu não sei se eles estão preparados para cumprir: amarrar as pontas que os personagens deixaram ao não conseguirem se manter quietos quanto ao futuro que seus eus mais jovens desconheciam – fazer frases que parecem lógicas em séries com viagens no tempo nem sempre é das tarefas mais fáceis.

Jax alertou seu pai quanto ao dia em que ele morreria e Rory tirou um peso das costas do menino que ele foi e se culpava pela morte dos pais. Ou seja: pode ser que o futuro do Jax seja mudado caso seu pai escape e Rory pode não se tornar um bandido. Ou estou errada? Porque Sara foi a única que levantou a pílula da memória para usar com o pai, não foi?

Bom, mas o melhor mesmo foi ver o passado de Rip: o menino abandonado Michael que um dia foi ele e sua mãe adotiva. Ao ver a relação dos dois e, quem diria, ouvir seus diálogos, eu fui direitinho levada até aquele tempo e imaginei o quanto ele foi salvo pelos Mestres do Tempo – esse negócio de abandoná-los deve ter sido uma decisão difícil.

E, caso ninguém tenha percebido, vou ignorar Ray e Passarinha porque é tudo muito chato e eu não gosto dela e estou imaginando o Passarinho voltando e vários corações partidos e tudo o mais.

P.S. Já imaginaram se Rory e Sara, jovens, virarem amigos depois dessa bagunça?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *