Quantico: Inside (1×11)

Vocês acreditam que a Chocha, ops, Chopra foi escolhida atriz favorita no People Choice Awards desta semana? Depois eu fico brava com meu pai quando ele diz que o povo não sabe o que faz…

Chegamos ao final da primeira parte da temporada de estreia de Quantico – episódios inéditos só em março – e a sensação que me perseguiu ao longo dos episódios se repetiu ao final: a série tinha um ótimo potencial, mas falhou na entrega.

Quantico Inside 1x11 s01e11 alex simon vasquez

Com a trama do episódio no tempo presente correndo contra o relógio para que Alex não vá para a cadeia, me pareceu absurdo gastarem tanto tempo com as gurias da turma afogando as mágoas no feriado de ano novo enquanto os colegas foram para suas casas.

O paralelo entre passado e presente acabou tendo apenas uma serventia: nos apresentar a mãe de Caleb para em seguida nos aterrorizar com a ideia de que ela poderia ter sido explodida com todo o resto do pessoal do FBI no tempo presente.

Isso e nos contar que Caleb foi bem longe quando seguia a tal seita citada por ele. Sorry, não consigo mesmo engolir o rapaz super bom de coração, ainda que totalmente perdido, como responsável por um plano tão engenhoso que incluiu não somente roubar os planos de Simon na academia, plantar uma bomba distração dentro de uma caldeira, colocar Simon no lugar perfeito para ser responsabilizado por tudo e enganar todo mundo do FBI.

Crédito demais para o personagem que nos foi apresentado até aqui, não é mesmo?

E aí encontro a grande falha que não permite que a série atinja seu potencial: nenhum personagem me convence. O grupo de trainees do FBI me parece mais um grupo de adolescentes preocupados com o baile de formatura, incapazes até de escolher uma faculdade para seguir, quanto mais serem o objeto de tanta admiração como Miranda e Liam nos querem fazer parecer.

Talvez, apenas talvez, se a série não fosse centrada neles, a coisa funcionasse bem mais: o FBI lutando com uma ameaça terrorista maior que a de 11 de setembro e descobrindo que ela pode vir de alguém entre os seus, menos tempo para romance bobo e pelo menos dois ou três personagens com cara de quem podem ser realmente ameaçadores.

Terminamos, ao invés disso, com a morte boba – quem não viu o que Elias ia fazer quando ele deu o primeiro passo para trás? – de Elias levando com ele pistas que poderiam levar o grupo que restou, considerando que os demais tenham morrido ou se ferido gravemente na explosão, e também a possibilidade de inocentar Alex no prazo curto de tempo que colocaram para ela.

Alguns podem achar que isso foi bom, só que a não ser que eles consigam convencer a juíza da inocência da moça, voltamos ao primeiro episódio, em que ela precisa fugir e provar sua inocência…

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. Ri quando vi seu comentário sobre a premiação porque pensei a mesma coisa, mas pelo menos escolheram a Sasha Alexander como Atriz de Canal Fechado Favorita.

    Responder

    1. Menina, preciso muito ver Rizzoli e Isles, já li quase todos os livros da Tess com as personagens e eu amo a Sasha desde NCIS. Uma amiga agora me deu os dvs, só preciso começar a maratona.

      Responder

  2. Várias coisas me incomodam na série, mas acho que as más interpretações é o pior. Cada ator ruim, aff
    E as meninas nas festas de fim de ano, parecia Patricinhas de Bervely Hills rsssss
    Tem uma atriz da novela Além do Tempo muito parecida fisicamente com a Alex, mas ela interpreta bem mais.
    O que trabalha melhor é o Simom, pra mim.
    As gêmeas são lindas, tem uma interpretação melhor que as demais patricinhas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *