X Company: Quislings e Into the Fire (1×07 e 1×08)

X Company encerra sua primeira temporada com dois episódios fortes e pessoais. E um gancho que alimenta mil teorias do que virá agora: será o confronto entre Alfred e Franz Faber como Sinclair e todos os demais temem, ou será que o fato de ter escolhido matar seu filho e impedir que ele fosse levado por seus companheiros de exército fará alguma diferença?

Porque eu não consigo imaginar que os roteiristas tenham feito levado a trama de Faber a este ponto justamente antes de colocar os dois frente a frente.

Quislings foi um episódio de incertezas: seriam os alvos do grupo realmente traidores ou eles teriam sido enganados? Foi impossível não ficar em dúvida sobre a missão que eles tinham de  cumprir, ainda mais quando eles foram tão eficientes em nos convencer do contrário, como quando Tom vê a mulher que teria de matar conversando com o judeu fugido de um campo de concentração – eu sempre sinto um arrepio na nuca quando vejo uma tatuagem como aquela – ou quando Aurora acaba por escolher um conhecido como seu alvo.

Aurora fez a escolha mais pessoal e, portanto, mais perigosa: o dono de um café que teria entregue todo o grupo de que ela fazia parte no início da guerra e do qual, após ele ter entregue, só restaram ela e René, que todos acreditam estar agora morto. A escolha se torna perigosa porque é impossível pensar direito quando algo tem tanto peso sentimental assim para nós.

O que me leva a acreditar que deixar a irmã do dono do café viva, bem, não foi uma boa escolha – além de ficar em dúvida se o homem realmente não disse a verdade quando disse ser sua irmã a traidora.

Mas em tempos de guerra pouco tempo nos resta para avaliar o que foi uma boa decisão ou não, somos levados então para a missão de Neil, que ainda carrega a dor de ter matado o soldado alemão que não os traiu. Fiquei um tanto chateada com Tom por ter jogado isso na cara do amigo, ainda mais porque é verdade que Tom não pareceria a pessoa mais indicada para uma missão como essa depois de deixar vivos todos aqueles que em teoria deveria ter matado até aqui.

Talvez justamente para entendermos que ele é de verdade, não um covarde como seria fácil acreditar, restou para Tom a missão de garantir que aquele judeu conseguisse escapar para contar sua história ao mundo ao mesmo tempo em que matava a traidora, não sem dor na alma.

X Company Quisling Alfred e Aurora 1x07 s01e07

E com dor na alma e os nervos à flor da pele chegamos ao episódio final Into The Fire. A equipe precisa fugir de Paris levando o judeu fugitivo e Sinclair precisa envolver outras células para ajudá-los e damos de cara com nossa amiga irlandesa traidora. Juro para vocês, e meus pais são testemunhas já que assisti por lá e coloquei todo mundo para ver junto, que eu pulei do sofá quando eu a vi.

Pulei e soltei um palavrão.

Sim, eu sei, ela era mais uma das que não sabia o que realmente os alemães estavam fazendo durante a Guerra – a história me ensinou isso, mas eu sempre acharei difícil isso – e depois ela até tentou ajudá-los. Só que foi quando eles já estavam praticamente nas mãos dos alemães e sem ter para onde fugir.

Eu ficava torcendo para o Tom e o Neil aparecerem com aquele caminhão e salvar a todos, mas a dupla que escreveu um lindo poema para manter os franceses com esperança, acabou salvando alguns judeus que estavam sendo levados nas ruas de Paris e com eles seguiram por outra rota de fuga, sendo preciso que Aurora, Harry e Alfred tentassem se virar sozinhos.

O que eles não sabiam é que o judeu era o de menos para os alemães: o que eles queriam era o rapaz que lembra de tudo. Aquele que Aurora deveria matar mas não deixar cair em mãos inimigas e que ela não pode matar.

x company into the fire 1x08 s01e08 alfred

P.S. Recentemente li Toda luz que não podemos ver, cuja história se passa durante a Segunda Guerra na França invadida. Um dos personagens principais tem como trabalho encontrar os rádios da resistência em vans como as mostradas no programa. Sugestão de leitura para quem adorou a série e que sofrerá comigo até a estreia da segunda temporada.

P.S. Alfred vê uma foto antiga de Aurora e René no café e por conta do relógio acredita que o rebelde pode ainda estar vivo, o que nos é confirmado pela cena deste em uma cela em algum prédio de pedras. Por mais que eu fique feliz por isso, bom, eu sou #TimeAlfred e torço para que ele tenha alguma esperança com Aurora, ainda mais depois da linda cena dos dois na entrada daquele prédio logo depois de terem cumprido a missão.

P.S. Alguém me fala aonde posso mandar fazer uma camiseta como essa aqui?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *