Grey’s Anatomy: Time Stops e You’re My Home (11×23 e 11×24)

Ah, episódios eventos! Desconfio que Shonda Rhymes vive para e por eles, não é mesmo? Eu confesso que não leio muitas entrevistas da produtora, mas eu acho que ela deve ter assistido a ER, a pelo menos um episódio, que pode ter sido aquele em que Romano perdeu o braço ou aquele em que o helicóptero cai na área de entrada do pronto socorro.

E esses episódios devem tê-la marcado muito, só que ela não viu os demais e como cada episódio não evento também era importante e que não existia somente dor e inferno naqueles corredores de hospital e que aqueles episódios – com exceção do do helicóptero, porque a gente odiava tanto o Romano que eu acho que eles só fizeram aquilo para nos satisfazer, não tinha nada a ver com a história – tinha mais função do que simplesmente causar impacto e atrair a audiência.

Tanto é que, 11 anos depois, quando a gente olha para trás, apesar de Grey’s colecionar ótimos episódios evento, eles mais impactaram o público que as histórias conduzidas pela série.

E então chegamos até aqui. Derek morto e Cristina nem aparece para confortar a sua pessoa e Shonda faz o que? Derruba um túnel inteiro. Mata um montão de gente no dia em que os novos residentes chegam e em que Richard e Catherine se casariam.

Se você estava achando pouco ele ainda resolveu colocar os pais de Maggie se separando, Amelia dando piti porque não foi chamada para salvar a vida do irmão – pior cena da dupla de episódios, ainda que eu entendesse que ela estava sofrendo -, uma moça dando a luz e quase ficando paralítica por causa do residente idiota (eu gritei com a TV tanto nessa hora), enquanto o noivo dela estava preso e empalado no carro deles.

E então tivemos April, mudada pelos tempos longe, levando o carro inteiro para a entrada do pronto socorro, o hospital inteiro tentando salvá-lo, cada um deles por um motivo, por um tremendamente pessoal motivo apesar de parecer que é valorização daquela vida, e vemos o cara com quinhentas pinças presas no corpo, até assustei com aquilo, e a gente xingou quando a residente retardada soltou a porta do elevador, e a gente sorriu quando a Meredith apareceu com o bebê para que o pobre cara não desistisse da própria vida.

Sim, a Shonda é muito boa nisso. Ela conseguiu nos emocionar, nos fazer torcer, nos fazer querer. A gente ri e em seguida chora, a gente levanta do sofá, a gente se xinga porque, né, depois de 11 anos ainda sofremos com o que ela faz.

A gente até esquece o que não precisava estar lá, como a briga do Richard e Catherine para eles se entenderem em seguida.

E então ela encerra a temporada de uma maneira que, nossa, seria o final perfeito para a série: Alex e Jo vão morar juntos direito, Meredith voltando com seus filhos para sua velha casa e encontrando em Maggie alguém para ser amiga, Amelia consegue sair do luto ouvindo a mensagem do irmão no celular da cunhada, Jackson e April se separando porque ela merece ir atrás do que quer, mas ele não merece ficar eternamente a espera dela, novos residentes, uma festa na casa que Derek  construiu com velas há tanto tempo.

Meredith dançando, porque, afinal, quando nada mais a fazer é isso que se precisa fazer.

Seria um ótimo final para série e eu acho que eu até superaria melhor o arco da morte do Derek se assim fosse.

O duro é que em setembro estaremos aqui de novo, xingando e sofrendo nos corredores daquele hospital.

Greys Anatomy You're My Home 11x23 e 11x24 Season Finale Final de Temporada

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

8 Comentários


  1. hehehe, vocês gostam de sofrer mesmo! Abandonei Grey’s há tempos, desde o acidente de avião e acho que abandonei tarde. Sem chance de ficar nesse mimimi eterno e com desgraças acontecendo em looping.

    Responder

  2. Considero o episódio da Morte do Dr. Romano (Paul McCrane), muito mais forte e impactante do que o episódio onde ele perde o braço. A perda do membro deixou-o mais irracível com seus colegas de plantão, fazendo com que o público ansiasse por sua partida do seriado. O problema é que foi chocante demais. O diretor Chris Chulack, também produtor executivo da série, fez o helicoptero cair sobre Romano, mantendo o ponto de vista da própria vítima. Até hoje, lembro da cena, exibida à exaustão nos promos da Warner, e a considero insuperável pela violência física e principalmente, psicológica…

    Responder

    1. Oi Paulo!! Engraçado como algumas cenas não saem da gente, não é? Eu ainda lembro do Romano olhando para o céu, a gente vendo o rosto dele e então o que ele via. Ao mesmo tempo que foi chocante, e que desejássemos absurdamente aquilo, acabou soando um pouco caricato, como você mesmo falou: foi chocante demais.

      Beijo

      Responder

  3. Hahahahahha, meu, tô lembrando do helicóptero e do Romano e RINDO! Baita tragédia, e a gente gostou. 😛

    É, a Shonda estava bem catastrofista nessa última temporada. Mesmo o arco que era pra ser mais história e menos catástrole (Dra. Herman) acabou descanbando. eu gosto disso, mas acho que só porque já sou apegada aos personagens antigos – e talvez seja justamente por essa preferência da Shonda pelos tais eventos (deixando de lado os filling episodes) que a gente não consegue se apegar aos personagens que entraram há pouco (só me apeguei à Jo).

    Fiquei bem furiosa com a Amelia. Entendo o lado da moça, mas… bah, acho que tenho pouca paciência com a montanha-russa que é a Amelia.

    Você tem razão… seria um lindo series finale.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *