Hostages: Suspicious Minds e Endgame (1×14 e 1×15)

Acabou. E olha que eles até que conseguiram fechar a história direitinho, nos deixando com um fechamento e ainda apostando fichas na tentativa de tornar uma segunda temporada atrativa, quem sabe centrada na questão de Duncan ter se entregue à polícia e poder apontar o dedo para muita gente poderosa. Outro gancho para a segunda temporada: a primeira dama e sua irmã louquinhas por vingança do presidente que foi mantido vivo.

Hostages: Suspicious Minds e Endgame (1x14 e 1x15)

Eles conseguiram, ainda, nos manter tensos com algumas viradas internas: a incerteza de que a família continuaria viva depois que Archer descobriu que Duncan estava mentindo para ele e ficado claramente louco da vida com isso; a incerteza quanto Ellen realmente conseguir manter o presidente vivo depois que aquela bagunça toda aconteceu no hospital; a incerteza de que ainda teríamos Nina para salvar quando Duncan e Archer acabam na casa errada.

Hostages foi uma boa série, mas nunca foi uma ótima série. Ela teve bons episódios, conseguiu nos manter interessados por boa parte do tempo, mas sua premissa meio que nos deixava na expectativa de uma história de uma temporada só e eles nunca conseguiram aquele acerto que permitisse novos fãs para a série, que desde o início não conseguiu uma audiência relevante. Ou aquele acerto que nos fizesse agarrados ao sofá ao invés de desviando o olho enquanto faz uma segunda coisa.

Com tudo isso eu ainda preciso elogiar que eles tenham conseguido levar a história até o final com alguma coerência, ainda que eu quisesse o Brian no fundo do lago. Ainda que eles tenham dado algumas soluções preguiçosas para as várias questões a serem amarradas e ainda que Duncan, perfeito até três episódios atrás, tenha cometido muitos erros nessa reta final.

Ellen conseguiu ajudar Duncan, o que ela queria muito, e não se tornar uma assassina. Duncan conseguiu salvar sua esposa, ainda que isso tenha lhe custado fazer muita coisa errada e acabar na cadeia, mas ainda assim não vimos todos os vilões serem punidos, nem mesmo o presidente tendo um final justo, só que seria um milagre fazer tudo isso em tão poucos episódios.

E, se eu fosse os produtores, não contaria com um retorno e partiria para um novo projeto, porque por mais elogios que eu possa fazer ao fato deles terem terminado dignamente a história, ela nunca foi lá uma grande história a ser contada.

Ah, sim, o final feliz da Sandrine com Archer também foi das coisas mais uó dos últimos tempos.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. apesar da sempre sensação de que isso deveria ser uma minissérie até que gostei de acompanhar, foi bem amarradinho o final e melhor ter terminado assim … se bem que a série ainda não foi cancelada e até pensam em dar uma 2a. temporada

    Responder

    1. Uma segunda temporada focada em Duncan fugindo do pessoal tentando matá-lo ia ter um ar de Prison Break, não é mesmo? Eu não ia me importar.

      Responder

  2. Fiz uma maratona de HOSTAGES, vendo todos os capítulos em 3 dias. Vou ser bem sincera… Odiei. Quase sempre concordo com suas opiniões, mas desta vez, não. Você disse que achou que as reviravoltas valeram a pena e que intercalava um episódio bom e outro ruim. Achei as reviravoltas absurdas e alguns acontecimentos risíveis, que deveriam ser levados à sério. Exemplo: o namoradinho da filha grávida morre (não guardei o nome de ninguém)e NINGUÉM dá a menor bola, inclusive a menina que, supostamente, seria apaixonada por ele! O filho tinha mais medo do seu traficante delinquente que dos sequestradores! A mulher com leucemia fugindo com a filha, really? Ela estava morrendo e ia levar a menina para onde? o que seria da menina quando ela morresse ou ficasse de cama? E tantas outras situações não menos que absurdas. Não achei nenhum episódio bom, não deu para se envolver nem se importar com os personagens, em sua maioria chatos e babacas.
    Amo Dylan Mcdermott desde “The Practice”, e resolvi assistir por causa dele, mas realmente só ele não seria capaz de salvar esta bomba. Toni Collete, boa atriz, desperdiçada (e estava magra demais).
    Parece que o toque de Midas de Jerry Bruckheimer não anda funcionando muito e está difícil emplacar outra série com o sucesso de CSI.
    Será que essa coisa vai ter segunda temporada? Espero que não, mas se tiver, não perderei tempo.

    Responder

    1. Oi Ivonete,

      Eu duvido que tenha uma segunda temporada, na verdade não entendo porque não oficializam o cancelamento de uma vez.

      Agora, das suas impressões: eu acredito muito que existem séries que não podem ser vistas em ritmo de maratona, na verdade acho que apenas as boas séries resistem ao ritmo intenso de episódio após episódio. Por exemplo, Numbers para mim é perfeita, os episódios tem nível muito parecido, fluem muito bem. Você encerra tendo a certeza de que nenhum foi ruim. Doctor Who não tem esse nível constante, mas não tem episódio ruim, então mesmo que um ou outro sejam marcante também é fácil ficar satisfeita depois de uma maratona.

      Eu adoro Downton Abbey, por exemplo. Mas assisti 3 temporadas na sequência de maratona e enquanto tinha gente elogiando a terceira eu estava xingando, porque visivelmente o nível dela era muito inferior. Só que era pra mim, que a vi logo em seguida aos episódios primorosos da primeira.
      Hostages não foi uma boa série, foi uma série média, com apenas um ou dois episódios bons de verdade, os outros na média, outros ruins. Quando você os assiste na sequência os problemas vão ficando mais visíveis, acho que até ganham mais projeção, o seu nível de paciência diminui, pequenas falhas ficam insuportáveis.

      Responder

  3. Talvez tenha razão quanto a ver séries em ritmo de maratona, e uma série que não é boa, fica pior ainda, no caso de Hostages. E espero que realmente seja cancelada.
    Sua observação quanto a Downton Abbey é interessante, não assisti todas as temporadas de uma vez, mas assisti cada temporada em maratonas. Ou seja, esperava a temporada terminar e via tudo de uma vez. Achei a primeira e a segunda ótimas (mais a primeira do que a segunda), a terceira é claramente inferior às duas primeiras e a quarta, revela o esgotamento do enredo. Sei que vai ter uma quinta temporada, o que é uma pena, a série já perdeu seu encanto ao final da segunda temporada. A saída de atores em papéis importantes, com certeza dificultou ainda mais o desenvolvimento, mas apesar do sucesso, que, creio, ela ainda faz, os produtores deveriam entender que já se estendeu demais e tentar dar um final digno, e fazer dessa quinta, a última temporada.

    Responder

    1. Eu ainda consegui achar a quarta melhor que a terceira, acredita? Mas como você acho que com a saída do Matthew a série perdeu um tanto do rumo, do outro lado Edith ganhou nuances muito mais interessantes. Não acho que ela vá além desta quinta não.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *