Tem certeza que não dá para mudar uma cidade?

O que eu mais ouço quando o assunto é usar a bicicleta no dia a dia é: mas São Paulo não é uma cidade feita para bicicletas. Na verdade, erram ao falar isso, o que aconteceu é que São Paulo deixou de ser uma cidade para pessoas. Somem as lojas de rua e as calçadas bem cuidadas e surgem, então, as vias de tráfego rápido.

Eu normalmente argumento que nem Amsterdã era uma cidade para bicicletas, foi preciso coragem política e muita vontade para que ela mudasse tanto.

Sabe que outra cidade tem feito o mesmo? Nova Iorque. E, vamos combinar, a gente adora comparar São Paulo à Nova Iorque, afinal são duas cidades muito importantes, ricas, com pessoas de diferentes raças, com gente que adora o dia, com gente que vive a noite.

Que tal, então, a gente buscar ficar mais parecido ainda com ela?

NYC Streets Metamorphosis from Streetfilms on Vimeo.

P.S. Quanto mais espaço as pessoas ganham nas ruas, mais seguras elas se tornam e mais pessoas aproveitam isso.

Gostou do Texto?

Cadastre seu email e receba novos
textos por email:

2 comentários em “Tem certeza que não dá para mudar uma cidade?”

  1. Carolina Yoichi Matsumoto

    Então, é possível mudar. Aliás, é muito possível mudar. Basta vontade de *todo mundo*, na verdade. É em nós trabalharmos mais perto de onde moramos, é criarmos mais emprego para pessoas que moram perto, é investirmos em estabelecimentos fora do “centro” comum (você valoriza seu bairro? sua padaria, seu mercadinho ao lado de casa, ainda que um pouquinho mais caro que um supermercado? faz unhas, pé no salão perto de casa? etc).

    Se você fizer um pouquinho no seu bairro, pode ir ao centro também. Acontece que muita gente só dorme no bairro e faz tudo nos grandes centros. Aí é o problema para a cidade, pois ela aí depende de muito mais logística para levar comida e produtos para o centro. Se houver demanda fora do centro, dilui-se o problema da logística (que é outro fantasma além do trânsito que muita gente esquece).

    Ok, eu moro perto do centro, mas ainda assim há coisas *locais* que podem e devem ser valorizadas. As grandes redes já têm muitos clientes e muito dinheiro. Se o mercadinho do bairro tiver clientela ele pode ser mais competitivo. E quem sabe crescer?

Deixe seu Comentário