Blue Bloods: No Regrets (3×18)

Episódio feijão com arroz de Blue Bloods: Danny e um caso intrigante, Frank salvando o dia, dessa vez de um grande amigo, Jamie com um caso simples do dia a dia, os demais fazendo ponta. Não que eu reclame, afinal os Reagans são gente da família.

Blue Bloods No Regrets 3x18 s03e18

Na verdade, achei que esse episódio me provou que Jamie tem seu lugar: ele funciona como policial quando ele é colocado como um policial realmente iniciante. Desses que patrulham ruas e pegam casos menores, mas não menos importantes. Talvez tenha sido por isso que eu peguei um pouco de birra dele na temporada passada quando o colocaram como agente infiltrado. Com aquela carinha de moleque não tem como me convencerem.

Mesmo aqui eles pecaram no exagero: como assim ele volta ao apartamento para questionar quem é o pai do menino? Quem é ele para isso?

Já o caso “de gente grande” do Danny se tornou maior ainda quando confirmaram que se tratava de um assassino em série, só faltava encontrar o que ligava os crimes e foi triste ver como culpado um homem que fez tanto pela justiça se desesperando com a morte próxima e se sentindo culpado por não ter colocado todos os que mereciam na cadeia a ponto de resolver matá-los – me fez lembrar, acreditem, de Lista de Schindler, quando Schindler começa a se culpar por não ter salvo mais um com seu broche ou com sua canetam etc. Pessoas que fizeram tanto, mas ainda assim consideram sua missão incompleta.

Em medida semelhante temos a aparição desse grande amigo de Frank que ao se aposentar sente que sua vida fica sem sentido, se funda na bebida e abandona a família. Pelo menos ele soube qual amigo procurar quando a esperança acabou e que bom que Frank localizou a ex-esposa e conseguiu ajudá-lo a recomeçar – só ajudá-lo, o resto é com ele mesmo.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *