Salve Jorge – o santo, não a novela

são jorge

Com a idade fui ficando fã de São Jorge, pessoa que a gente nem sabe se existiu mesmo, cuja lenda levou para brigar com um dragão lá na Lua e cujo culto a igreja nem impede, mas também não incentiva. Acho que esse lado meio transgressor dele tem tudo a ver comigo, que não se diz mais católica, mas não consegue deixar Pai Nosso, Nossa Senhora Milagrosa e São Jorge de lado. Além disso, bem, tem o Corinthians, né?

Também conta o fato de ser dele a mais bonita oração que eu conheço:

Ó São Jorge, meu guerreiro, invencível na Fé em Deus, que trazeis em vosso rosto a esperança e confiança abra os meus caminhos. Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam e nem mesmo em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrarão sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentarão sem o meu corpo amarrar.

Acho que a oração me ganha duplamente: primeiro porque falamos de um Santo que não desiste, que luta. Mas, ainda assim, é uma oração que não pede a vitória sobre os inimigos, mas a proteção para si. Duas coisas que eu nem sei dizer a vocês o quanto eu acredito. Tão bonita que virou música sem nem precisar ser mudada – música de Jorge Ben Jor mas que eu gosto da versão feita pela Fernanda Abreu.

P.S. Fui criada como católica, flertei com o espiritismo. Tenho uma fé enorme em Deus e Nossa Senhora, que aceitaria como santa mesmo que não fosse virgem, e fiquei muito feliz pela escolha de um novo Papa simples, que anda pelas ruas próximo de seus fiéis. Não me digo mais católica porque discordo de alguns de seus dogmas (aborto, homossexualidade) e não acho certo continuar me pronunciando da religião se ela não mora mais 100% em meu coração.

Entendo que as religiões são criação do homem para “digerir” o desconhecido e que cada um escolhe aquela que fala mais alto ao seu coração. Acredito que Deus, lá em cima ou aonde estiver, não desmerecerá ninguém pela religião que escolheu desde que não a pessoa esqueça daquele princípio que rege todos os outros: Ame o próximo como a ti mesmo.E isso significa respeitar o próximo em todos os seus medos, limitações e crenças.

Imagem daqui óh.

Lá na Lojinha tem pulseira de São Jorge, já viram?

 

Gostou do Texto?

Cadastre seu email e receba novos
textos por email:

Deixe seu Comentário