Hawaii Five-O: Pa Make Loa (Touch of Death) (1) (02×21)

 

Eu provavelmente não era a pessoa mais ansiosa por este episódio, afinal, abandonei NCIS Los Angeles logo na primeira temporada e não esperava por grande coisa da participação especial de Callen e Hanna, os personagens principais da série derivada da minha querida NCIS (que também já teve dias melhores, vamos combinar ou eu estou ficando realmente chata com a idade).

Por aí vocês já podem imaginar que eu não aproveitei tanto assim do episódio, certo? Certo, quando o foco do episódio acabou não sendo o caso em si, mas a chegada dos dois – ainda mais quando Hanna é tão amigo de Steve e ele nem estava lá – à ilha por conta da ligação de um homem morto por varíola e um mafioso que eles perseguiam em Los Angeles, ao que parece ele matou alguém da equipe ou algo do tipo.

Foi mais ou menos assim: 20 minutos da equipe do Five-O investigando, aquele ritmo que a gente já conhece e gosta, aí chegam os moços fazem barulho. Leva uns 10, 15 minutos pra eles chegarem de verdade, se envolverem e coisa e tal e então a coisa volta ao normal.

No final do episódio, quando o pessoal já está mais integrado e eles parecem ter descoberto aonde os bandidos estavam escondidos, a coisa esquentou e as cenas de perseguição foram bem dignas de Hawaii Five-O. Mas aí o moço foge num avião e, é claro, eles só descobrem isso quando ele já pousou lá no continente.

P.S. Continuo achando que Steve faz uma falta enorme nessa série.

P.S. do P.S. Hanna: Bonito seu carro, como ele chama? Danno: Ele chama carro. Adorei!

*****

Pra quem não quer esperar até que o A&E exiba o episódio Touch of Death de NCIS: Los Angeles aqui vai o desfecho de nossa história:

Assistir a este episódio de NCIS Los Angeles me fez lembrar porque eu parei de assistir a série logo na primeira temporada: eles não me convencem.

Callen, Hanna, Kim e Danno chegam em Los Angeles, mas não só o avião já pousou como todo mundo já desembarcou, inclusive o bandido carregando as injeções de varíola. Uma das passageiras é encontrada morta no banheiro, mas ainda assim nenhum outro foi contaminado pela doença.

Entre muitas e muitas piadas, jogadas de cabelo e frases que devem ter sentido apenas para os fãs da série e que ocuparam mais ou menos 30 dos 40 minutos disponíveis, eles descobrem que, por trás de tudo, existe uma médica que acredita que as doenças (e imagino que os terremotos, maremotos e tufões) são a forma do mundo manter sua “lógica”, ou seja, é assim que o mundo impede a super população. Então ela resolveu criar uma varíola ainda mais mortal, assim, tudo voltaria ao equilíbrio.

Isso, o caso nada tinha a ver com o tal mafioso que o pessoal de Los Angeles perseguia tão incansavelmente.

Nos minutos finais do episódio eles conseguem pegar a moça, achar as injeções e todos ficam felizes. E, quem diria, Kim e Danno podem voltar felizes para a ilha (o quem diria é pela felicidade de Danno em deixar o continente).

P.S. Tá, Danno com medo de uma injeção valeu ter assistido NCIS Los Angeles.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Olá, quase eu desisto de assistir NCIS-Los Angeles na 1º temporada, mas a partir da 2º temporada(depois da mudança de alguns personagens), eu achei que ela pegou sua própria identidade, afinal o foco dela é diferente do NCIS original , é mais voltado digamos para a ação(no meu ponto de vista),tanto que eu achei a 3º temporada melhor que a 9º temporada de NCIS(para quem assistiu todas as temporadas eu acho essa a mais fraca), quando ao HAWAI estou ainda na 1º temporada.

    Responder

    1. Luciano, o duro é que com tanta coisa pra assistir você acaba abandonando o que não te agrada e mesmo que melhore fica difícil retomar né? A 1ª te Hawaii Five -O é bem superior a segunda.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *