Filme: Bond Of Silence

Sinopse

Katy (Kim Raver) e Bob (David Cubitt) McIntosh vivem em uma pequena cidade turística na região nordeste dos EUA. Eles são um casal apaixonado, pais de um casal de gêmeos de 4 anos. Na virada de ano de 1997 eles recebem um grupo de amigos para comemorar a passagem, enquanto do outro lado da rua o filho dos vizinhos, que estão viajando, recebe quase 200 adolescentes para sua própria festa.

Quando a festa começa a ferver Bob e dois amigos resolvem conversar com os garotos para acalmar as coisas. Bobo não deixará a casa vivo, sendo encontrado num dos quartos do andar superior já morto. Katy fica devastada pela perda e resolve descobrir a verdade sobre sua morte. Só que os garotos nada falam. Eles criam um “vínculo de silêncio” (bond of silence).

Bond of Silence é um telefilme do Lifetime lançado em 2010 baseado na história real de Katy Hutchison, bastante elogiado pela crítica chegou a ser considerado a melhor produção do canal. O fato de ser baseada em uma história real apenas tornou toda a história mais interessante.

Além disso, Kim Raver, que praticamente aparece em todas as cenas do filme, está excelente. Ela consegue passar com maestria primeiro o abandono da perda, depois da impotência por não saber a verdade, até que, no final, ela soube demonstrar a aceitação do que aconteceu, a tristeza porque saber a verdade não traz a pessoa amada de volta.

Mas a surpresa do filme vem depois que o “the end” deixa a tela: após confessar o crime, o adolescente responsável pela morte de Bob foi condenado a 5 anos de prisão. Após cumprir sua pena, ele e Katy participaram de um programa que, nos EUA, coloca agressores e vítimas juntos a fim de tentar reparar as perdas dos dois lados.

Katy não somente perdoou o rapaz que matou seu marido como, hoje, junto com ele dá palestras sobre violência e bebida na  adolescência em escolas, na tentativa de evitar que novas mortes tão “bestas” aconteçam.

E por que a surpresa? Porque eu sempre fico surpresa, maravilhada, com a capacidade que o ser humano tem para a bondade. Eu sou incapaz, talvez, de entender a força desta mulher que perdoou o assassino de seu marido, e por isso admiro ainda mais sua coragem, sua força, sua bondade. Admiro ela ter seguido em frente e ter tornado uma experiência tão triste em algo tão bonito.

Para conhecer melhor o trabalho de Katy é só acessar seu site.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *