NCIS: Out Of The Frying Pan (08×18)

Então, oito anos depois, esse povo ainda não aprendeu que tem de dar maior importância a intuição de nosso amigo Gibbs? Poxa, até eu já sabia que o garota não era culpado. Tá, o Vance tinha relação pessoal com a vítima, estava numa de herói vingador, e isso pode ter afetado a visão dele, mas o resto da equipe não. Principalmente o Dinozzo, tsc tsc.

Dinozzo que, tudo indica, continua de tico tico no fubá (isso é velho, não é não?) com a nova supervisora. É claro que ele não conseguirá esconder isso do resto do pessoal por muito tempo e eu nem me importo muito, achando que tramas interessantes podem surgir daí, vocês não acham?

O engraçado é que, mesmo não tendo nada de especial neste episódio, eu acho que foi um dos melhores desta temporada, pelo menos até aqui. Provavelmente porque teve menos de humor – que anda sendo usado em demasia – e um pouco mais de drama. A tristeza pela morte do fuzileiro, o filho que não se sentia amado, o vizinho que perdeu sua menina, o retorno da mãe, que acaba sendo entregue pelo próprio filho. Foi uma história bastante rica.

Que só perde um pouco de seu brilho por conta da cara do Vance no finalzinho. Essa birra dele com o Gibbs já me cansou.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

8 Comentários


  1. bem que achava que conhecia o menino, ele faz Shameless

    sabe que cheguei a suspeitar do vizinho !!! pois o ator já meio que manjado como suspeito e o fato de ter acontecido aquilo com a filha dava todos os motivos para ser o culpado
    mas temos mesmo que sempre confiar nos instintos de Gibbs ….. sempre

    “Dinozzo que, tudo indica, continua de tico tico no fubá” …. adorei \o/

    Responder

  2. Cara Simone, já percebi que vc não suporta o Dinozzo, mas não pode desconsiderar o personagem na série. Ora, o cara é o oposto do Gibbs, queria outro Gibbs??? Ele quebra o crime de seriedade que as tramas envolvem, porque a maior parte do público gosta de humor!!! Além disso, Dinozzo rendeu, rende e vai render boas tramas. Nesse episódio achei o Dinozzo nem aí por caso, acho que ele estava mais interessado no seu novo affair. Que pelo que vi do começo de outros episódios vai render, assim como o da Ziva!!! Adoro a Abbs, prefiro ela a Ziva, mas não gosto muito do Mcgee. Ele é engraçadinho mas sem graça. Diferente da Abbs que faz papel de uma nerd, mas que tem muito charme. E as tramas em torno do McGee não são tão interessantes quanto as da Ziva e do Dinozzo. Aliás, o que vai chamar a atenção é o interesse do Dinozzo querer ficar no lugar do Gibbs. O personagem que pouco mostra a sua relação com Gibbs é do Dinozzo. O que faz do NCIS ser o NCIS hoje são os personagens: Gibbs, Dinozzo, Duck, Abbs, McGee, Ziva e mesmo o Palmmer e o diretor Vince. Mesmo não sendo muito fã do McGee sei que o NCIS não ia prestar sem ele, apesar de começar como fixo na primeira temporada, o mesmo serve para o Dinozzo e os outros. As vezes parece que vc coloca o Dinozzo como sem importância para a série, mas todos os personagens são importante, porque são personalidades diferentes que trabalham juntos e constroem uma relação de carinho. E pra mim é a única série investigativa que vale a pena acompanhar os personagens, porque eles tem história e evoluem. Essa última frase vc concorda não???

    Responder

    1. Camila, até voltei a ler o texto para entender seu comentário.

      Assisto NCIS desde seu surgimento em JAG e adoro todos os personagens, sem excessão. Acredito que vc tenha lido apenas este texto e se apego a minha ironia pelo fato de Dinozzo não dar o devido valor ao instinto de Gibbs. E sim, neste episódio, seu personagem ficou apagado.

      Se for ler os demais textos sobre o seriado vai perceber que gosto de todos, com especial carinho por Abby e Gibbs, e que a cada episódio posso falar mais de um ou de outro, falar mal de um ou de outro. É assim mesmo, trato todos como velhos amigos e me dou o direito de puxar uma orelha de vez em quando.

      Apesar de tudo isso, mais uma vez digo que adoro o seriado, não acho que ele seja hoje o melhor do tipo procedural hoje. Na verdade, está temporada está muito fraca e está devendo muito quando comparado aos anos anteriores.

      Responder

  3. Queridas Simone e Camila, assim como vocês, eu adoro NCIS, se bem que, agora, eu estou me concentrando, apenas, em CSI NY. CSI sempre foi e continua sendo minha série policial predileta.

    Cada personagem possui suas características bem definidas e personalidades distintas e ricas e isto é muito bom, como um desafio, para os produtores, os roteiristas e os atores. Eu gosto muito disso.

    Quanto a Dinozzo, nem sempre eu tenho paciência para aturar a imaturidade e as gracinhas dele, apesar de gostar muito do personagem e da interpretação de Michael Weatherly (lindo e talentoso!). Dinozzo, sem dúvida alguma, é o pilar, que sustenta o lado do cômico de NCIS. Por exemplo, eu fiquei furiosa, quando ele não foi homem o suficiente para lutar pelo amor de Jeanne Benoit, apesar de tudo que ocorreu com os dois. Dinozzo formou um par e tanto com Jeanne.

    McGee sempre foi o meu personagem predileto e me conquistou com extrema facilidade. Ele foi o primeiro personagem de NCIS a me conquistar. Eu amo McGee. Eu só lamento o emagrecimento radical do ator Sean Murray, por que as bochechas fofas dele me fazem muita falta!

    Eu também prefiro Abbs a Ziva. Abbs é linda, fofa e sensível! Ziva, além de não ser bonita, é grosseira, sei lá…A Cote de Pablo não conseguiu me conquistar como a Sasha Alexander. E ver Ziva como par romântico de DiNozzo também não me alegra. A atriz Pauley Perrete é um show a parte, em NCIS. Vocês acreditam que, com aquele jeito de boneca, Pauley já está, na casa dos 40 anos? Ela come, bebe e respira o quê, pelo amor de Deus? Eu pensava que ela tinha 27, 30 anos, no máximo!

    Uma coisa da qual eu não gosto muito, em NCIS, é que, algumas vezes, a vida pessoal dos personagens ganha um destaque muito grande. Em CSI, isto já está acontecendo, mas os crimes e a solução destes continuam a ser o foco principal da série. O humor, em NCIS, também é utilizado, demasiadamente, em alguns episódios.

    De qualquer forma, apesar das comparações, é bom ter a nossa disposição programas diferentes, variedade de séries de tv. NCIS ou CSI, tanto faz! Eu quero é me divertir e me desligar de minha realidade, por alguns momentos.

    Beijos, Gabriela.

    Responder

  4. Gabriela e Simone percebi que vcs também são fã dos csis. São bons, mas não me conquistaram como ncis, apesar deste último ser uma exaltação ao usa. Acho q por isso faz muito sucesso nos usa. Entretanto, como já falei, os personagens do ncis são únicos e a quimica entre os atores é a mais perfeita que já vi em série deste gênero. Acho q é isso q me agrada, como não vejo o mesmo nos csis da vida não consigo acompanhar, não sei, não tenho empatia pelos personagens e acaba não assistindo. Curtia Criminal Minds, mas não sinto o mesmo pelos personagens do ncis. Gosto de todos, Adoro o Palmer com o Doutor. O Gibbs com a Abbs. Esta com o Dinozzo. Este com o McGee. Até mesmo a Ziva com o Dinozzo, que ambas não gostam. A quimica é incrivel. Muito boa. E Gabriela a Pauley é demais. Ela é a melhor. Abraços as duas!!! Até q fim encontrei pessoas para falar do ncis…sou muito fã…

    Responder

  5. Querida Camila, eu também adoro conversar sobre NCIS com os fãs desta série! Na verdade, eu gosto de séries de tv e de conversar sobre elas! O que eu já falei de NCIS com todos os meus amigos, não está, no gibi! E ter blogs sobre séries a nossa disposição, é tudo de bom!

    A minha vida é dividia em ASTV (antes das séries de tv) e em DSTV (depois das séries de tv), sem exageros, por que, depois que eu descobri o mundo dos seriados americanos, eu fiquei, absolutamente, viciada. Eu cresci, saboreando A Feiticeira, Daniel Boone, Flipper, Terra de Gigantes e, claro, as séries de tv japonesas, também.

    Quanto a NCIS fazer exaltação aos EUA, os americanos são assim mesmo e com razão. Eles fazem filmes em homenagem a policiais, aos bombeiros, àqueles que lutam por alguma causa…Eles fazem filmes-denúncia com críticas e questionamentos sérios e os seriados de tv trabalham com assuntos cabeludos, de forma inteligente, leve e sem aquele didatismo politicamente correto enjoativo e, grosseiramente, perceptível.

    Já a nossa televisão, que se diz responsável socialmente, só quer saber de oportunismo e apelação e o nosso cinema só se interessa por favelas, banditismo, modismos e por tudo que o Brasil tem de pior. E o mais grave: nenhuma discussão séria e proveitosa surge disso.

    NCIS é leve, divertida e, simultaneamente, tem a coragem de tocar em assuntos importantes para os americanos e pessoas do mundo todo. E mais: a agência federal NCIS existe de verdade e ganhou notoriedade e mais agentes, depois da série NCIS. O que eu escrevi lá em cima? Eles valorizam os profissionais deles.

    Ah, a química dos atores de NCIS é a mais perfeita das séries mesmo!

    Continue a escrever comentários, Camila, pois eu sempre estarei, por aqui, fazendo comentários, em vários posts, e sobre NCIS, claro.

    Beijos, para todos,

    Gabriela.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *