Intermodal Bicicleta + Ônibus como solução fácil e efetiva

Quando eu comecei a usar a bicicleta uma amiga (pelo menos eu a considero assim) disse que tombo faz parte, que você leva o primeiro, assusta, mas depois supera e aprende. E cai de novo.

Eu achava que o tombo seria a pior parte, mas aí descobri que terror de ciclista é motorista de ônibus, ou monstroristas como meu amigo Cabelo bem citou. O principal problema é que ciclistas e ônibus compartilham a pista da direita e os motoristas destes não gostam muito da ideia.

A maior parte dos acidentes com ciclistas ocorrem quando eles são ultrapassados sem que a distância mínima obrigatória seja respeitada (1,5m) e porque o motorista retorna com o ônibus para a direita antes de terminar efetivamente a ultrapassagem.

A solução? Educação. As cidades aonde a bicicleta é efetivamente um meio de transporte integrado à paisagem investiram pesadamente no treinamento de motoristas, particulares, de táxi e de ônibus, e em sua força policial, para que o espaço público seja realmente de todos. Mesmo cidades como Copenhagen, aonde as bicicletas chegam a ser maioria, continuam investindo nisso todos os anos.

Outra forma de incentivar o uso da bicicleta de forma integrada é o incentivo ao intermodal, que é o uso de várias modalidades de transporte entre origem e destino. Aqui em São Paulo, por exemplo, já é comum o uso de ônibus+metrô ou metrô+trem.

O uso do intermodal metrô+bicicleta e trem+bicicleta começou há pouco a ser mais difundido, após a instalação de bicicletários do UseBike em estações de maior movimento, mas ainda é restrito, pois a bicicleta só pode entrar na estação ou trem aos finais de semana, em horários limitados. A efetiva destinação de espaços nos trens durante a semana com certeza seria um incentivo ao uso deste tipo de modal.

Já o intermodal ônibus+bicicleta simplesmente não existe na cidade.

E para quem fala que São Paulo não é uma cidade adequada para esse tipo de intermodal eu saco a cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, que tem muito mais subidas que Sampa, e adotou a bicicleta como meio de transporte válido, possuindo uma considerável malha de ciclovias, distribuindo pela cidade mapas que demonstram as melhores rotas para os ciclistas (em que ele enfrenta menos subidas e dispõe de paraciclos a disposição, por exemplo) e já usa, há muito tempo, a mistura ônibus e bike com sucesso, sem tirar espaço de dentro dos ônibus:

Eu fiquei encantada quando descobri a solução simples e efetiva de colocar a bike na frente do veículo lendo Diários de Bicicleta do David Byrne.

P.S. Nesse sábado eu tive meu batismo no relacionamento com os ônibus: bem perto de casa, em uma quadra da Tavares Bastos relativamente sossegada, fui ultrapassada por um ônibus cujo ponto de parada ficava a menos de 100 metros. Tendo de voltar para a direita rapidamente para conseguir parar no ponto o motorista me deu uma fechada e tanto. Li tanto sobre o assunto que atualmente eu já saio brecando assim que o ônibus fica do meu lado, para evitar que ele me acerte na volta. Foi o que me salvou de um susto e um tombo.

Direção defensiva também funciona, mesmo quando o que você dirige é a bicicleta.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. Caramba! Grande post Simone!
    Destaco a parte da direção defensiva, que para nós realmente é muito importante praticá-la, no entanto, situações como a que colocou só são percebidas pelo ciclista quando ele passa a ter que dividir a pista, quando passa a utilizá-la com mais frequência. Infelizmente só andando para ir entendendo estas coisas mesmo. E lendo nos blogs dos amigos né?

    Valeu!
    😉

    Responder

    1. Mas sabe outra coisa que a gente só aprende usando a bicicleta na rua; o prazer disso, a sensação boa de liberdade, o vento no rosto, o sorriso aberto. Agora que descobri não tem ônibus que me faça desistir!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *