Cinema: Sex And The City 2

Vestido: Un Vestido Y Un Amor
Casaco: Zara / Meia: Lupo / Sapato: Uncle K

Nada mais adequado do que me vestir de menininha e falar de um filme totalmente para moças: Sex And The City 2.

Ontem, depois de muita enrolação, eu finalmente usei os dois convites que ganhei da gracinha @gabibianco há um bom tempo, tanto que quase que eu nem vejo, cacei por uma sessão em horário noturno para assistir e percebi que quase fico sem: Eclipse é que não falta.

Ia sozinha, mas maridão se candidatou ao programa e lá fomos nós – juro que eu dei vários avisos de que ele não precisava ir, mas ele insistiu e acabou ficando com uma imensa cara de tédio quase que na totalidade das duas horas do longa.

O problema não é nem o fato deste ser o filme mor das mulherzinhas, mas sim porque ele é um filme para fãs do seriado: diferentemente de Sex And The City O Filme, que tinha uma história “independente” e caminhava bem sozinho, este segundo filme é carregadissímo de referências ao seriado e, por isso mesmo, divertidissímo para os fãs de longa data.

Eu confesso que não fui uma fã assídua do seriado, eu me irritava tanto com Carrie quanto vibrava com Miranda, e isso significava desistir de vários episódios ao longo do caminho.  Mas sempre reconheci nele coisas positivas, momentos absurdamente engraçados e, em vários momentos, ele serviu de escape para algum ódio mortal de fim de relacionamento.

Neste segundo filme Carrie enfrenta os medos de que seu casamento caia na rotina e na infelicidade e precisa de um tempo para se encontrar. Graças a sedutora Samantha, o grupo de quatro amigas segue para o Oriente Médio e tem a oportunidade de honrar os velhos tempos, dar boas risadas, pagar mico no karaokê e até andar de camelo.

Não, elas não são mais garotinhas – em alguns momentos é impossível desviar o olhar das rugas ganhas ou da falta delas, ainda mais assustadora , e você conclui que algums envelheceram bem, outras nem tanto – mas acho que boa parte da graça é que elas nunca o foram, já que as conhecemos mulheres feitas.  O que realmente importa, eu acho, é que depois de tanto tempo, é legal ver como a vida delas na verdade foi uma realização de seus sonhos, mesmo que elas não soubessem disso.

Certezas do filme: perfeito para asssistir com amigas, ou até sozinha; você sai cantando as músicas que elas cantam; você vai ficar com alguma frase que significa muito para você (eu fiquei com o momento em que Charlotte fala que o medo dela do marido ter um caso com a babá é de ela ficar sem babá); você vai concluir que tanto Big como Aidan envelheceram maravilhosamente bem; que nunca a expressão “Branca de Neve explodida” poderia ter sido melhor utilizada; e que boas amigas são dos melhores presentes que a vida pode nos dar.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. como eu amooooooo essas doidas desde o tempo da série,que ja vi e revi diversas vezes não me importo com as críticas e vou mesmo assistir!adorei seu post!bjus

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *