Criminal Minds: Angel Maker (04×02)

Criminal Minds Angel Maker S04E01

A certeza de que o episódio será muito bom: Garcia assumindo seu medo de palhaços, depois de, aos 12 anos, ter um palhaço apertando seus seios e fazendo barulho de buzina – “não é porque é divertido que está tudo certo!”

Passada a tempestade, a volta ao seu dia a dia, a volta a caça pelos desconhecidos que ameaçam a vida das pessoas comuns. A volta das piadinhas típicas de uma equipe que passa muito tempo junto, que compartilha forças, fraquezas e segredos. Talvez menos ação que no episódio que abriu a temporada, mas, no final das contas, esse povo precisa é colocar o cérebro para trabalhar.

E nada melhor do que um caso em que a mais simples das crenças – de um homem ter sido morto com uma injeção letal na frente de uma série de pessoas – seja colocada a prova.

De maneira muito clara o foco sai de Derek, que foi o herói do episódio passado, para Hotch e Reid. O primeiro por ignorar os conselhos de sua médica e voltar ao trabalho mesmo correndo o risco de ficar definitivamente surdo, o segundo por sempre esperarmos dele a resposta certa quando a questão é definir um padrão, um perfil – ótima sacada quando Prentiss aperta a bochecha de Reid e pergunta se ele é real, ou quando ele fala que o computador seria mais lento que ele na avaliação das provas.

Criminal Minds Angel maker 04x01 Reid

A idéia de que o antigo assassino serial teria sobrevivido à condenação logo é descartada, resta identificar quem tomou o seu lugar. Pensando com cuidado, é de se imaginar que uma mulher que se apaixona por assassino no corredor da morte teria tendência a se tornar uma – seja qual foi a motivação que Reid entenda que existe ali.

Toda a trama foi muito bem conduzida, cheia de direções erradas pelo meio do caminho, sendo óbvio que eles não iriam encontrar corpo algum naquela cova, mas nem por isso eu fiquei menos com o pé atrás sobre o que realmente estava acontecendo.

E não deixa de ser interessante toda a teoria de Reid ir por terra, por mais estranha que ela fosse desde o início – a idéia de um gêmeo ruim e um pior ainda chega a ser assustadora não é?

A estratégia de Prentiss, por outro lado, me pareceu perigosa desde o início. Sério. Uma mulher que se apaixona daquela forma por um maluco tinha todas as chances de fazer besteira – eu já disse isso né? – e não foi surpresa vê-la tentando matar alguém também.

Talvez o que eu menos tenha gostado seja algo que destaquei antes como positivo: até o momento da brincadeira sobre Reid ser real eu estava gostando, mas não gostei quando ele se tornou o “alívio cômico” de todos da equipe. Meio exagerado e talvez eu goste demais dele para levar isso numa boa.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *